Você está CONFUS@?

Nathalie Drumond 17/mar/2016, 14h18

A conjuntura está num ritmo supersônico que vejo a maioria das pessoas com medo do que pode acontecer nos próximos minutos. Mas talvez tenham algumas coisas que não mudam.

– A crise econômica tem colocado em xeque os lucros de uma parcela da burguesia brasileira. Na lógica do “farinha pouca, meio pirão primeiro”, a burguesia brasileira lança mão do que tiver ao seu alcance para sustentar e ampliar seus privilégios. Há muita gente lucrando com esta situação. A sanha por abocanhar filões do orçamento público também se acelera, bem como a pressão para aumentar o lucro diminuindo os “gastos” com direitos.

– A crise ataca o bem estar e o poder de compra da população, dinamita o emprego e os salários, aumentando a insatisfação. Diante de tanta dificuldade pra se manter com um salário tão parco e com um custo de vida tão caro, o que se espera que a população faça vendo os políticos roubarem tanto? O mínimo que eu espero é ódio.

– A Globo tem seus interesses de classe, seus patrocinadores e seus próprios negócios para defender. Ela se alia a quem puder sustentar seus privilégios. E ataca aqueles que atrapalham seu caminho.

– A Dilma não tem mais condições de governar. Está totalmente sem legitimidade. Não há quem lhe defenda, ou muito poucos ousam isso. Quem votou nela, não votaria mais. Quem acreditou num giro à esquerda não acredita mais. Quem desejou que ela unificasse os planos da burguesia nacional para solucionar a crise, não deseja mais. Não tem base de apoio na superestrutura política do país, muito menos em meio à população.

– A Globo aposta na tese de que tirar a presidenta resolverá mais rápido seus interesses. Me parece que a ingovernabilidade de Dilma causa muitos prejuízos aos Marinho. Estão portanto trabalhando dia e noite para derrubar o governo.

– Diante dos pontos anteriores, a oposição de direita viu uma oportunidade para se apresentar como solução para o país. Aecio e cia devem ter que calculado que seria a hora de derrotar o PT de uma vez por todas e eliminar desde já seus adversários de 2018.

– Ainda que eu desconfie que Sergio Moro tenha interesses parciais na divulgação dos fatos da Lava-Jato, os depoimentos, as delações e as provas existem e apontam para o envolvimento dos principais partidos e de seus caciques com esquemas vultosos de corrupção. Do PT, do PMDB e do PSDB. O fato de ser divulgada mais coisas do PT, não o isenta de culpa. E acho que nos últimos dias veio à tona muitas denúncias contra Aecio, Paes, Renan… Não faz sentido, devido a esta parcialidade, sair em defesa do PT. Faz sentido é defender que toda barbaridade se torne pública. Doa a quem doer. E para isso as investigações precisam continuar.

– Por uma forma ou de outra, a população tomou conhecimento do envolvimento do Aecio nos atuais escândalos de corrupção. E seu prestígio se abalou bastante diante disso.

– A situação é dinâmica e polarizada. Gera confusão mesmo. Mas o que fazer?

a) Já que os maiores beneficiados do impeachment são o PMDB e o PSDB, vamos então defender o PT?

b) Já que o PT tem culpa no cartório, vamos então defender o impeachment mesmo que isso beneficie tão somente o PMDB e o PSDB?

c) Que tal uma saída que não seja conduzida pelo PT, PMDB, PSDB, ou seja, pela casta política? Existe? A única possibilidade é criar um mecanismo no curto prazo onde a população possa decidir, que sua vontade prevaleça. O que me vem à mente é antecipar as eleições. E você o que pensa?

Vem aí...

Acampamento Internacional das Juventudes em Luta: Rio de Janeiro, abril de 2017