Construir as lutas no coração do Brasil por mais direitos e democracia real!

11/abr/2016, 19h36

No último fim de semana (8 a 10 de abril) o Juntos realizou a II Acampada no Centro Oeste, com participação de jovens estudantes secundaristas e universitários, trabalhadores, mulheres, LGBTs, negras e negros. Debatendo conjuntura nacional e internacional, nos armamos para as lutas da juventude por maisdireitos e democracia real!acampada 2

 

Confira a resolução aprovada na Plenária Final do Acampamento:

O Brasil tem passado uma grave crise política, econômica e social. O povo tem sofrido duramente com o ajuste fiscal do governo federal e as propostas reacionárias do Congresso Nacional, capitaneadas por Eduardo Cunha. A casta política tem se afundado em uma das crises mais duras para os poderosos. A Operação Lava Jato revelou um esquema de corrupção que envolve quase todos os partidos (como PT, PSDB, PP e PMDB), empresas, empreiteiras, e nomes como Cunha, Renan Calheiros e Lula. Dessa forma, o acirramento da crise política e econômica gerou uma instabilidade no governo e no Congresso, que culminou nos mais diversos pedidos de impeachment de Dilma. A crise social e de representatividade nos mostra a necessidade de radicalização da democracia, dizendo não ao impeachment capitaneado por Cunha, Temer, toda a oposição de direita e a FIESP, mas também dizendo não à política do Governo Dilma que ataca os direitos da juventude e dos trabalhadores e negocia os rumos da crise com acordões por dentro da casta política. Devemos seguir na luta em defesa de uma democracia real, não a democracia dos mais ricos. Diante dessa grave crise política, a saída não pode ser decidida nos gabinetes: o povo tem que decidir! Juntos! temos a tarefa de construir um nova alternativa política, ao lado da juventude e do povo. Tomar a política nas nossas mãos e decidir os rumos do nosso futuro!

O Distrito Federal não escapa do cenário de crise. O governador Rodrigo Rollemberg (PSB) iniciou, em 2015, seu mandato com ajuste. A falta de professores nas escolas, atraso no pagamento dos servidores e a inexistência de diálogo ocasionou em 2015 uma greve que aglomerou diversas categorias. Sem dó, o governo aumentou de forma abusiva as passagens de ônibus e metrô, retirou o direito à isenção do PAS para os estudantes das escolas públicas e criou uma comissão para discutir a implementação de Organizações Sociais em diversas áreas, como educação e saúde. A Câmara Legislativa do DF é uma das mais reacionárias do país. Com um expressivo quadro da bancada fundamentalista, vetou na votação do PDE (Plano Distrital de Educação) o estudo de gênero nas escolas. A relação da Câmara e do Governo de Brasília (que só em seu nome ignora as diversas identidades culturais das periferias do DF, como Ceilândia, Brazlândia e Taguatinga) com a casta política do DF é sintomática, e mostra a necessidade da construção de um polo de lutas protagonizado pela juventude, pelas mulheres, negras e negros, LGBTs, universitários e secundaristas.

Em Goiás, os estudantes resistiram contra a arbitrariedade e a repressão do governador Marconi Perillo, do PSDB, e ocuparam as escolas contra a militarização e a privatização das escolas públicas do estado. No Mato Grosso do Sul, a luta dos povos indígenas cresce, e seguem resistindo frente ao massacre dos ruralistas e o silêncio dos governos. A luta e a resistência cotidiana da juventude, seja nas universidades, nas escolas, nos bairros, nos cursinhos populares, nas lutas LGBT, anti-racistas, na resistência nas periferias, nas ocupações por moradia, demonstra que, nos organizando e confiando em nossas próprias forças, podemos vencer. Quando os de baixo se unem, os de cima sentem medo. Quando os poderosos ousam desafiar os direitos da juventude, eles podem sair perdendo. Esta é a nossa grande aposta e é por esta via que queremos, com todos os jovens, construir as lutas que nosso tempo exige.

O Juntos! é um movimento democrático e aberto à participação e à opinião de todas e todos. À falta de democracia da grande política, opomos um modelo de participação direta em todas nossas decisões e organização. A partir desta Acampada, queremos que todas as cidades dos estados do Centro Oeste, e todos os locais em que existe o Juntos! possam se reunir, convocar debates, assembleias, rodas de conversa, encontros, manifestações, para discutir a situação do país, a luta pelos direitos da juventude e pelo nosso futuro. Entre os principais encaminhamentos estão a aprovação da composição do novo Grupo de Trabalho Distrital do Juntos! com representações das escolas, universidades, movimento feminista, de negritude e LGBTs. E a construção de um grande encontro! A juventude já tem data para se reencontrar no II Encontro do Juntos DF, em 4 de junho de 2016, em Brasília.

acampada