A luta dos secundaristas também é minha

Juntos 13/maio/2016, 14h21

Hoje, por volta das 6h da manhã, a Polícia Militar invadiu as Diretorias de Ensino Centro-Oeste e Norte 1, além da ETESP – todas ocupadas pelos estudantes em luta contra o escândalo de desvio da merenda em SP e em defesa da educação pública. A ação foi ultra violenta, os estudantes foram arrastados e forçados a entrar num ônibus-camburão. Os estudantes foram levados para a delegacia e estão detidos.

A invasão policial foi feita sem mandado. Ontem, Alckimin aprovou uma medida que dispensa a autorização judicial para ações policiais de reintegração de imóveis públicos. A partir de agora, o executivo manda e a polícia executa, sem poder de contestação. Provavelmente, a nova medida surgiu como resposta à decisão de semanas atrás do juiz Luis Manuel Fonseca Pires, que exigiu 5 condições para o cumprimento do mandado de reintegração de posse do Centro Paula Souza – dentre elas, a presença do oficial de justiça e a ausência de armas dentro de instituições de ensino. Na ocasião, o então secretário de segurança pública, Alexandre de Moraes, declarou que o juiz tinha cometido uma extravagância e provavelmente tenha sido incentivada por ele a aprovação da nova medida. Na tarde desta quinta, Alexandre foi nomeado Ministro da Justiça por Michel Temer.

Além de SP, no Rio de Janeiro as escolas ocupadas têm sofrido uma ofensiva grande de bandos violentos que buscam desocupa-las à força. Muitos dizem que estes grupos de “cidadãos” agem por incentivo do governo e das diretorias das escolas. Na semana passada, o colégio Mendes de Moraes – a primeira ocupa do RJ – foi atacada por um grupo de pessoas que agrediram os estudantes e devastaram as dependências internas da escola.

Nos últimos meses, assistimos indignados uma queda de braço entre os principais partidos da ordem para definir quem deveria seguir governando o país. Durante todo este período, o povo e a juventude foram impedidos de ser parte de qualquer debate ou tomada de decisão. No mesmo período, os estudantes secundaristas se levantaram ocupando escolas, secretarias e diretorias de ensino, marchando nas ruas, encurralando os governantes em SP, RJ, CE e agora RS. O recado dado foi claro: enquanto a casta política se degladia, a juventude tomará o seu destino pelas próprias mãos.

A continuidade da luta secundarista e sua vitória é a principal forma para derrotarmos os políticos corruptos, que fazem da política ferramenta para engordar seus lucros, ampliar seus privilégios de casta e classe. A luta secundarista tem um potencial gigantesco e é a única forma, hoje, capaz de virar do avesso a política nacional. Porque ela fruto da ação genuína de jovens autônomos aos mandos e desmandos dos distintos governos, estuantes que não estão dispostos a negociar seus direitos em troca de defender um ou outro partido da ordem, que dão um importante exemplo ao sacrificarem a si próprios em defesa de direitos coletivos. Precisamos alastrar pelo Brasil o exemplo dos secundaristas e dar todo o nosso apoio para que eles não sejam derrotados pela violência do Estado. A luta por direitos no Brasil só pode avançar se o exemplo dos secundaristas se afirmar de forma contundente.

Por isso, convocamos a todos a prestarem solidariedade aos secundas de SP, fazendo vigílias nas portas da DPs e escolas, prestando apoio jurídico e repudiando nas ruas e redes esta barbaridade!

Juventude de pé: ocupa e luta!!

Vem aí...

Acampamento Internacional das Juventudes em Luta: Rio de Janeiro, abril de 2017