Juntos rumo ao Congresso dos Estudantes da Universidade de Brasília

Juntos BrasíliaVitor Cesario 27/jun/2016, 17h02

A Universidade de Brasília sempre foi referência nacional no que se refere ao ensino e à pesquisa. Pensada por Darcy Ribeiro, a UnB tinha como objetivo quebrar as barreiras entre a universidade e o povo, entre os departamentos de diferentes áreas do conhecimento e revolucionar o ensino superior no Brasil a fim de melhorar a realidade brasileira. Ademais, a UnB foi fundamental na resistência contra a ditadura militar e em outras lutas do movimento estudantil nacional.

Contudo, apesar de estar entre as universidades com o maior orçamento do país, não é possível ver na UnB a realização do sonho de Darcy Ribeiro. A reitoria autoritária tenta de qualquer forma “higienizar” os prédios da universidade, através de remoção de centros acadêmicos, lanchonetes, livrarias e a criminalização das confraternizações de estudantes (happy hours) e demonstra não prezar pelo diálogo com a comunidade acadêmica. Além disso, a reitoria da UnB sob a gestão do professor Ivan Camargo tenta de qualquer forma extinguir o movimento estudantil, ignora a existência de machismo, racismo e LGBTfobia dentro da universidade e não impulsiona campanhas que coíbam esses tipos de práticas opressoras. Interpreta a pauta de assistência estudantil enquanto secundária e não pensa duas vezes antes de cortar bolsas ou demitir funcionários terceirizados.

O que piora ainda mais a situação é a omissão do DCE em relação às ações autoritárias e truculentas da reitoria. A atual gestão Aliança pela Liberdade se ausenta completamente de qualquer debate político e faz questão de esvaziar espaços de discussão na universidade, o que leva a uma despolitização de grande parte dos estudantes.

Nosso Diretório Central que foi referência em diversos momentos, hoje se esconde atrás de suas camisetas polos e carros caros e não consegue ter empatia com os estudantes pobres que tem suas bolsas cortadas de tempos em tempos, não se solidarizam com os estudantes de escolas públicas que travam, hoje, uma luta fundamental que é a isenção do PAS, não repudiam as demissões em massas de funcionários terceirizados ou a precária condição de trabalho dos técnicos.

A universidade também está sucateada. Os laboratórios são insuficientes, faltam professores e disciplinas, há ausência de projetos de extensão, precarização da pesquisa e até mesmo coisas básicas como a água são raras em alguns prédios da UnB.

Nós defendemos que é através do debate e da mobilização que os estudantes podem ter vitórias. Também entendemos que a universidade deve ser pública, gratuita, de qualidade e socialmente referenciada. Enfim, são muitos problemas a serem discutidos e resolvidos. A reitoria e o DCE, sob a atual gestão, com certeza são uma barreira a serem superadas para a resolução dessas questões e de outras. Para isso, acreditamos que a saída passa por fortalecer o movimento estudantil independente da reitoria no Congresso de Estudantes da UnB, para que esse organize uma luta contra Ivan Camargo e por mais direitos na universidade.

Nesse sentido, o coletivo JUNTOS escreve uma pré-tese, que ainda pode e deve ser debatida com os/as estudantes das mais diversas áreas do conhecimento, afinal, queremos construir esse congresso junto àquelas/es que estudam na universidade, englobando pessoas de todos os cursos e todos os campi.

Quer conversar com a gente sobre o congresso? Entre em contato com Vitor “Fofo” (61) 99951-3590 ou Ayla (61) 98347-9998

Vem aí...

Acampamento Internacional das Juventudes em Luta: Rio de Janeiro, abril de 2017