“Plantar pra não comprar” O lema do ativista preso também é o nosso! #LIBERDADETHCPROCE

Igor Fernandes 23/jun/2016, 18h36

Um dos grandes ativistas pela descriminalização da maconha no Brasil, o Sérgio Delvair da Costa, mais conhecido como TCHPROCE, foi preso em sua casa no DF, sem mandado polícial, com truculencia e violencia e abuso de poder, a polícia não contente com a prisão fez questão de invadir suas redes sociais, principalmente o youtube, que é um dos canais mais acessados pela comunidade canabica, pela descriminalização e pela plantação de maconha no país. O THCPROCE é um grande ativista que ajudou e ajuda muita gente a plantar, e ter sua erva livre do trafico, livre de substancias agressivas ao corpo como acontece na compra de um prensado na biqueira. O grande lema dele é o “Plantar pra não comprar” e assim ele criou uma grande rede de cultivo da erva medicinal e recreativa. Sérgio, além do estímulo ao plantil, também era doador de óleo de maconha, o mais eficaz remédio para a cura do carcer cerebral e convulsões, ele mesmo produzia o óleo e doava para famílias que solcitavam o remédio.

A prisão do THCPROCE é uma grande hipocrisia social, a polícia que invadiu sua casa e suas redes sociais tem como base o trafico de drogas e que Sérgio é apenas mais um marginal, ou melhor um dos maiores marginais do país, por conta do seu ativismo. Nisso a polícia tem um ponto de razão, não em relação ao tráfico mas sim na importancia desse companheiro, seu incentivo ao cultivo vai justamente na contramão do tráfico, na contramão da morte da juventude negra e periférica, na contramão da lógica empresarial farmaceutica, que não se importa com a saúde real da população e tem como objetivo apenas o lucro, e o mantimento da doença, e ataca diretamente costumes, crenças e moralidades que precisam ser superadas, precisam avançar sem hipocrisia, a droga que mais mata no mundo tem comercial liberado em TV aberta e tem pouquíssimo benefícios medicinais. A descriminalização da maconha precisa acontecer, e é justamente em pontos como esses, que ele combatia e combate todos os dias.

No inicio do século XX a maconha era muito difundida entre os negros e na produção de papiro (papel) e de tecido (com o cânhamo) nos EUA, e eram concorrentes diretos dos brancos industriais estadounidenses, que fabricavam à partir da celulose. A parte economica se junta com a parte social e religiosa, para os cristãos a cultura pagã dos negros era suja e não servia para o trabalho, o famoso “cigarro do capeta” vem pela criminalização direta da raça negra e pelo monopólio economico, desde sempre.

Hoje o movimento pela descriminalização se empondera com bases medicinais e culturais, tentando fazer exatamente esse resgate histórico importante, o THCPROCE fere diretamente os 2 grande pontos da criminalização, a questão economica, pois incentiva o cultivo e não a venda, e o valor cultural cristão de reprimir diversos movimentos e culturas diferentes da moralidade da classe social dominante.

O ataque direto, com a prisão do THCPROCE, é um ataque direto a nós também, aos que realmente e superaram esse valor cultural e economico imposto com a criminalização da maconha recreativa e medicinal.

O Juntos Pela Legalização exige liberdade imediata para o Sérgio e pede a ajuda de todas e todos os militantes pela descriminalização!

#LIBERDADETHCPROCE