MEC, respeite o voto da Unifesp!

29/jan/2017, 13h53

Após as ocupações enfrentarem a PEC 55 e os estudantes terem ocupado Brasília no dia 29 de dezembro contra os ataques de Michel Temer, o governo arma um pacote de retaliação contra os que lutam em defesa de uma educação pública, gratuita e de qualidade.

No momento de grande disputa do projeto de universidade e educação, reitores que se posicionaram contra a PEC 55, como o professor Roberto Leher da UFRJ e a professora Soraya Smaili da Unifesp, vêm sofrendo perseguições.

A reitora Soraya, mesmo sendo reeleita ao cargo pelo conjunto da comunidade acadêmica, teve sua posse adiada pelo MEC com a justificativa de que a eleição seria inválida por ter sido paritária, uma conquista da luta por mais democracia nas universidades.

Algumas universidades sequer têm consulta para escolha da reitoria. A Unifesp serve como um exemplo de que é possível, pela luta, conquistar uma estrutura universitária autônoma e menos autoritária.

Os estudantes são a linha de frente da luta contra a PEC e não aceitaremos nenhum tipo de retaliação política aos que lutam contra o desmonte do ensino público, muito menos a intervenção autoritária, marca de um governo reacionário, machista e racista, contra a autonomia universitária.

Vem aí...

Acampamento Internacional das Juventudes em Luta: Rio de Janeiro, abril de 2017