Manifesto Vidas Negras Importam é Lançado em Porto Alegre

22/ago/2017, 10h10

O lançamento do Manifesto Vidas Negras Importam promovido pelo coletivo Juntos! Negras e Negros em parceria com o movimento Black Lives Matter dos EUA, reuniu, em Porto Alegre, artistas da cena Slam e do movimento Hip Hop, ativistas históricos e atuais do movimento social negro gaúcho e políticos no Ponto de Cultura Escola Áfricanamente.

A extrema direita norte-americana está desavergonhada e marchou nos últimos dias em Virgínia contra a negritude, as LGBTs, imigrantes e judeus gritando palavras como “sou nazista sim”. Isso é fruto do crescimento do discurso de ódio impulsionado pela eleição de Donald Trump. Neste momento é mais do que necessário afirmar que as Vidas Negras Importam.

Michael McDowell, do Black Lives Matter, compartilhou a experiência da luta dos negros nos EUA e agradeceu o apoio internacional que a negritude brasileira tem dado evidenciando esses casos. Afirmou que infelizmente a mídia não mostra, mas que os supremacistas brancos tem sistematicamente atacado pessoas.

“É muito estranho, na verdade eu não sei como explicar. Alguns dos nossos mais velhos, pais e avós, que lutaram antigamente contra os supremacistas sempre nos contavam o horror e o ódio destilado pela Klu Klux Klan. Ter isso hoje de volta de uma maneira diferente em que eles saem às ruas sem medo de esconder seus rostos é, sem dúvidas, uma experiência muito ruim pelo qual precisamos de todo apoio para continuar lutando!”, relatou.

Michael comentou a postura de Trump afirmando que “ambos os lados foram agressivos” dizendo que enquanto o lado de lá marchava por “blood and soil” revivendo práticas de tortura e da ideologia racista por “morte e território”, o lado de cá gritava que as Vidas Negras Importam.

A unidade na luta contra o racismo e pelo direito à vida tem tomado as ruas de milhares de cidades do mundo. Boston e Vancouver deram um recado forte para os supremacistas: racistas e fascistas não passarão. O manifesto é uma forma de unir os ativistas negros numa luta internacional em solidariedade ao povo de CharlottesVille e pela libertação o povo negro.