Por Uma Primavera LGBT!

20/set/2017, 09h48

Por Vinícius Costa, Ariella Luiza e Fernanda, do Juntos SP 

Estamos vendo recentemente, em especial nas últimas semanas, uma série de acontecimentos que apontam para um ataque sistemático à população LGBT, fomentado pelos setores mais retrógrados e corruptos do país e articulada entre agentes diversos, especialmente o MBL e o poder Judiciário. O mais recente e drástico ataque foi a expedição, pela Seção Judiciária do Distrito Federal da Justiça Federal, de uma liminar que enfraquece a resolução 01/1999 do Conselho Federal de Psicologia e abre precedente para o retorno da terapia de reversão sexual, tratando os LGBTs como portadores de patologia, contrariando a Organização Mundial de Saúde, que desde 1990 não considera a homossexualidade uma doença.

Essa terapia não tem qualquer embasamento técnico ou científico, e só traz prejuízos psíquicos aos LGBTs que são submetidos a ela. Um grupo de psicólogos malformados que se intitulam “Psicólogos Cristãos” (contrariando novamente as diretrizes do CFP que preveem laicidade e neutralidade de credo) tem a intenção de fazer “cruzadas” para obrigar pessoas de orientação sexual não-hétero a realizarem a terapia.

Não podemos aceitar isso! Defendemos não só a queda dessa liminar, mas também a cassação do registro profissional dos psicólogos que entraram com a ação e que são adeptos da terapia de reversão sexual, pois contrariam o Conselho Federal de Psicologia e a Organização Mundial de Saúde. Nessa luta, também precisamos empunhar com toda força a bandeira para que a transexualidade deixe de ser considerada uma doença mental pelo CID (Código Internacional de Doenças), como é considerada até os dias de hoje, e que o Estado brasileiro siga se responsabilizando pelas terapias e cirurgias necessárias para qualquer pessoa trans realizar a transição através dos equipamentos da saúde pública.

E precisamos ficar atent@s: esses ataques não começaram hoje e nem são passageiros. Fazem parte de um projeto político que está em voga no nosso país há vários anos: todo tipo de privilégio para eles, os poderosos, e nenhum direito para nós. Enquanto tentam criminalizar nossos corpos e nosso direito de ser e de amar, ocupam cargos em todos os governos para seguir enriquecendo e nos matando. A Justiça que tenta nos “curar” e que mantém a condenação do jovem negro Rafael Braga é a mesma que deixa Aécio, Temer, Jucá e todos os corruptos soltos para fazer o que quiserem. E isso não é privilégio do governo atual: lá em 2013, o governo da Dilma cancelou a distribuição do kit anti-homofobia nas escolas e deu a Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados para o canalha homofóbico do Marco Feliciano (PSC). Tudo isso para salvar, na época, o Ministro Antônio Palocci (PT), que hoje está preso por conta de seus crimes de corrupção. Nossos direitos sempre foram moeda de troca pros poderosos!

Mas se em 2013 derrotamos o projeto de Cura Gay do Feliciano, não é agora que vamos deixar passar. Precisamos organizar a resistência colorida do Brasil todo contra esse e qualquer outro absurdo! Vamos fazer uma primavera LGBT contra esse sistema dos 1% que nos persegue, silencia e assassina todo dia!

Assine a petição e ajude a barrar este retrocesso: https://juntos.org.br/lgbt-nao-e-doenca/