Quatro reais é roubo!

07/jan/2018, 23h12

*Gabriela Schmidt, do Juntos! SP

Após o aumento do valor da integração no comevço de 2017 e o corte nas cotas estudantis, prejudicando principalmente a juventude e os trabalhadores das periferias, o prefeito João Dória quer agora aumentar o preço da tarifa de 3,80 para 4,0. Mais um ataque aos direitos da população!

Nesta semana, Dória disse que o aumento é “suportável” e que a alteração tem um “olhar social para a população”, usando como argumento o fato de que o aumento (5,2%) foi inferior à inflação dos últimos dois anos (9%) e que o município cobrirá a diferença. A declaração é um deboche! A verdade não dita é que o subsídio da prefeitura não paga apenas os custos do transporte público, mas sim o lucro das empresas, pelo método de planilhas superfaturadas. O aumento da tarifa – e a própria cobrança de tarifa – sustenta os interesses de uma máfia dos transportes.

João Dória e Geraldo Alckmin seguem o típico mantra neoliberal para defender o aumento da tarifa do transporte, de que é inevitável cobrar os custos da crise sobre a população, para que as contas fechem. Com esse discurso submetem a população a uma tarifa absurda, lesando o direito à cidade, à educação e ao lazer. Além disso, o transporte é precário: ônibus insuficientes, em más condições e abarrotados de gente, metrôs e trens saturados.

Em 2013 a população se levantou contra o aumento da passagem, uma indignação que ascendeu dezenas de outras pautas, com o sentido comum da defesa dos direitos da população, dos serviços públicos e contra os privilégios de uma casta política e da elite. Em 2018 ainda é necessário lutar contra esse abuso!

Assim como não nos convencemos da “farinata”, a última farsa do prefake, não nos convencemos agora dos pretextos de quem costuma andar de avião. Por isso, no dia 11 estaremos nas ruas de São Paulo para dizer AUMENTO NÃO!