Marielle tinha lado!

21/mar/2018, 15h34

Por Talíria Petrone, vereadora de Niterói pelo PSOL.

Impossível dissociar Marielle do que ela era: negra, mulher, lésbica, favelada, socialista. Na verdade, Marielle é porque vive em muitas de nós. É por isso que repudiamos a opinião do GLOBO expressa na edição de 17 de março no editorial “Sectarizar morte de Marielle é um desserviço”. Desserviço é a tentativa de desqualificar a identidade, as pautas e o lugar político ocupado por Marielle Franco no Rio como fatores condicionantes da escolha da nossa companheira de lutas como alvo de seus assassinos. Por que mataram Marielle?

Não sabemos ainda quem a matou e exigimos, antes de tudo, a apuração rigorosa do motivo do assassinato, crime que, de forma trágica, tirou também a vida do motorista Anderson Pedro. Ela não foi um alvo aleatório. Foi executada. Assalto, latrocínio, brigas de trânsito são crimes que precisam ser enfrentados, mas não são crimes políticos. Marielle, Mari, minha irmã de alma e de luta, era uma afronta à política tão pouco representativa do nosso Brasil. Marielle denunciava a violência policial nas operações em favelas e periferias. Afirmava com veemência que a intervenção federal militar no Rio acirraria um modelo de segurança pública criminalizador dos negros e favelados. Era a voz silenciada da favela, e isso precisa ser dito. Era a voz silenciada das mulheres e LGBTs, e isso precisa ser dito. Era a voz dos pobres, e isso precisa ser dito. Mari tinha lado.

Mataram uma mulher negra, favelada, lésbica, mãe, militante do socialismo e da liberdade, eleita com 46 mil votos para o mandato como vereadora do PSOL na Câmara do Rio. A nossa parlamentar denunciou incansavelmente a violação de direitos humanos pelo próprio Estado e foi executada. A cada 23 minutos, um jovem negro é assassinado no Brasil. De cada cem mortos, 71 são negros. Marielle foi voz que enfrentou o silêncio diante dessas mortes. Marielle, defensora incansável dos direitos humanos, foi executada. Foi uma nítida tentativa de intimidar todas e todos aqueles que lutam, como Marielle, contra a desigualdade, a violência do Estado, o racismo, o machismo, a LGBTfobia e todas as formas de exploração e de opressão.

É irresponsável e leviano “secundarizar” esses fatores entre as condições em torno desse atentado político. Assim como é desrespeitoso e alienante acusar de “proselitismo” ou atribuir interesse eleitoreiro à denúncia de que Marielle foi vítima de um atentado político. O editorial do GLOBO viola os mais caros princípios éticos do jornalismo quando não reconhece e ainda tenta desmoralizar a política como instrumento da participação popular e da democracia. Precisamos fazer o debate na sociedade sobre o que é “oportunismo” em meio à disputa de narrativas que envolve o assassinato da nossa companheira. Sim, nossa companheira. Nossa Mari. Marielle vive em nós, vive na maioria do povo brasileiro, negra e de mulheres que foram às ruas no mundo inteiro gritar: Marielle vive. Não permitiremos que a morte de Marielle tenha sido em vão. Somos Marielle porque ela é e sempre será.

Publicado originalmente em: https://oglobo.globo.com/opiniao/marielle-tinha-lado-22509231