Manifestação a favor dos bombeiros reúne milhares em Copacabana

14/jun/2011, 00h45

por Felipe de Oliveira, do R7

Um dia após a libertação dos 439 bombeiros presos, milhares de pessoas foram ao calçadão de Copacabana, na zona sul do Rio, neste domingo (12), em mais um dia de manifestações dos militares. Segundo estimativa dos organizadores, a manifestação reuniu cerca de 400 mil pessoas, número que diverge da Polícia Militar, que informou que cerca de 27 mil pessoas ocuparam as ruas de Copacabana em apoio aos bombeiros. A bandeira do movimento, que reivindicava melhores salários e condições de trabalho, foi deixada em segundo plano após a invasão do quartel central. Presos por uma semana e denunciados pelo Ministério Público, os bombeiros serão processados por crimes militares. Para evitar novas prisões ou que percam suas patentes, eles querem a anistia.

Caso consigam a anistia, é como se eles nunca tivessem cometido crimes. No último sábado, os bombeiros informaram que pretendem recolher 600 mil assinaturas. Com o documento em mãos, os deputados estaduais vão criar um projeto de lei pelo perdão aos militares.

Para o bombeiro Ricardo Cunha, do Gmar (Grupamento Marítimo) de Botafogo, a quantidade de pessoas apoiando o movimento é emocionante.

– Estamos muito emocionados, não tinha idéia de que teríamos todo esse apoio. Está sendo uma coisa marcante para todo o Estado do Rio. O povo acordou, agora vamos cobrar e mudar esse Estado para o bem do nosso povo. Estou cada vez mais orgulhoso de ser bombeiro, vamos nos unir e buscar de todas as formas um Rio melhor. Estamos todos unidos, militares, enfermeiras, professores, todos em busca de condições dignas de trabalho.

Entre os bombeiros, professores e policiais militares, uma presença ilustre. A cantora Alcione deixou sua casa no Recreio dos Bandeirantes, zona oeste, para dar apoio à classe.

– O Rio hoje é vermelho. Desde o Recreio, só vejo pessoas com camisas vermelhas. Eles merecem a anistia e um salário melhor. Eles merecem porque, justo no Rio, acontece tanta tragédia. É só a gente lembrar do Bumba, de Teresópolis e outras tantas tragédias. É por isso que eu fiz questão de vir aqui hoje, de vermelho, apoiar quem pode salvar a minha vida.

A Marrom falou também da união das pessoas pelos bombeiros.

– É um fato inédito, nunca se viu uma mobilização popular tão grande. Ninguém vai conseguir reverter isso. Está parecendo final de campeonato, a praia está lotada.

A manifestação reuniu até mesmo pessoas com necessidades especiais. É o caso de dona Leda Figueiredo, de 89 anos, que fez questão de acompanhar o protesto nas ruas de Copacabana.

– Já fui atendida várias vezes pelos bombeiros. Nunca me esqueço que em 1971 um bombeiro salvou minha vida e jamais vou me esquecer disso. Sempre quando precisei, eles estavam ali para me socorrer e ajudar, eles são anjos. E não podia fazer nada a não ser vir aqui com todas as minhas dificuldades e apoiar essa manifestação.

Pelos cartazes na orla, é possível notar que diversas pessoas vieram de longe apoiar os bombeiros do Rio. Há faixas de Mato Groso do Sul, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e da região Nordeste.

Vem aí...

Acampamento Internacional das Juventudes em Luta: Rio de Janeiro, abril de 2017