Juntos em São Paulo marchou por Liberdade

26/jun/2011, 18h17

 

No dia 18 de junho cerca de 40 cidades do Brasil estiveram em marcha por liberdade de expressão, de organização e de manifestação. Todos juntos e em marcha por liberdade e democracia.

Em São Paulo, o Juntos participou da Marcha que reuniu por volta de 4000 pessoas. Marcamos presença em defesa da anistia aos bombeiros lutadores do RJ, que recentemente deram enorme demonstração de como a ação coletiva é a nossa grande arma para lutar por direitos sociais.

Levamos também à marcha nossa indignação contra o veto da presidenta Dilma ao Kit de Combate à Homofobia nas Escolas. No Brasil, dezenas de mulheres e homens são mortos devido ao preconceito e à intolerância a sua orientação sexual, tomamos a Avenida Paulista também para denunciar esta violência e reivindicar a aprovação do Projeto de Lei por um Brasil sem Homofobia (PLC 122).

Fantasiados de Dilma e Palocci os militantes do Juntos também roubaram a cena. De maneira criativa fazíamos coro com aqueles que querem dar um basta à corrupção, tão recorrente na política nacional. Cada vez mais o estado brasileiro torna-se mero balcão de negócios, onde se troca favores políticos por rios de dinheiro, desviados dos cofres públicos. Por falar em rios de dinheiro, a presidenta Dilma e seu partido, o PT, possibilitaram que o novo Código (anti) Florestal fosse aprovado, pois em troca obtiveram dos partidos tradicionais da “oposição” a não abertura de investigação contra Palocci. Pois é, na política nacional as coisas andam assim, preserva-se aqueles que enriquecem às custas do dinheiro público e entrega-se de bandeja as nossas florestas aos ruralistas.

Estes são alguns entre tantos fatos que indignam a juventude no Brasil. Desde o começo do ano milhares de jovens têm frequentemente tomado às praças e às ruas das principais cidades brasileiras para dizer um basta à falta de democracia e reivindicar um futuro completamente diferente, com liberdade e justiça social. Seja contra o aumento da passagem do ônibus, pela legalização da maconha, em solidariedade aos bombeiros e professores em greve, contra o Código Florestal, ou contra a corrupção, tomaremos as ruas sempre que precisar. Como dizia o chamado da Marcha da Liberdade “Em casa somos um. Juntos, somo todos!”.

Seguindo o exemplo da geração sem futuro da Grécia e Espanha, nós também não temos medo. Hoje somos alguns milhares pelo Brasil, mas amanhã será maior! Sem dúvida, será maior.

Dia 30 de junho ocorrerá na ALESP a audiência pública contra o uso de armas não-letais em manifestações populares, vamos participar!

Vem aí...

Acampamento Internacional das Juventudes em Luta: Rio de Janeiro, abril de 2017