Vamos recepcionar Haddad e Rodas como merecem!

13/set/2011, 16h19

Vamos recepcionar Haddad e Rodas como merecem: com um ato exigindo 10% do PIB para educação e mais verbas para permanência estudantil na USP!

Nesta quarta-feira, dia 14 de setembro, o ministro da educação, Fernando Haddad, estará participando de um debate sobre o Plano Nacional de Educação, em uma das mesas da Semana de Educação organizada pela Faculdade de Educação na USP. Em ocasião da presença do ministro, o reitor da universidade, João Grandino Rodas, também confirmou presença. Nós do Juntos! vamos marcar presença reivindicando mais democracia na universidade e vamos exigir 10% do PIB para educação e mais verbas para permanência estudantil na USP!

Nesse ano está sendo discutido no Congresso Nacional o novo Plano Nacional de Educação (PNE). Este é um plano de metas para a educação a ser cumprido pelo Governo Federal nos próximo dez anos. A maior discussão está na questão financiamento da educação.
Hoje, o financiamento público para a educação pública corresponde a cerca 3,5% do PIB, enquanto são gastos 44,93% do orçamento brasileiro (R$ 635 Bilhões) em pagamento de dívida pública. Além disso, o governo anunciou um corte de 3 bilhões de reais para educação no início do ano, enquanto manteve intacto o pagamento dos banqueiros. Uma das grandes polêmicas do projeto de PNE apresentado pelo governo é sobre essa questão. Enquanto o governo apresenta uma proposta de 7% do PIB, a exigência histórica dos Movimentos Sociais é de 10% do PIB para a educação pública.

Em diversas universidades neste ano de 2011, de norte ao sul do país, ocorreram manifestações, atos e ocupações como na UFSM, UFRGS, UFF, UFSC, UFPR, UFES, UFS, questionando os efeitos da expansão de vagas do ensino superior através do REUNI. Nas pautas de reivindicação estavam questões específicas dessas universidades, o apoio à mobilização dos servidores, e também melhores políticas de permanência estudantil.

O projeto do REUNI, que tem como fim a abertura de mais universidades públicas e vagas nas federais por todo o país, prevê uma expansão sem correspondente aumento de verba.

Na USP nos últimos anos também ocorreu um processo de expansão de vagas nos últimos anos sem garantia de qualidade de ensino e sem políticas de permanência estudantil. Podemos tomar como exemplo o recente caso da criação de três novos cursos no campus de Lorena. Estudantes da Escola de Engenharia de Lorena não têm até hoje Restaurante Universitário, moradia estudantil e transporte gratuito d@s estudantes no interior da universidade. É uma enorme irresponsabilidade por parte da reitoria aprovar a criação de novas vagas no EEL sem a garantia da gratuidade ativa no decorrer da graduação d@s estudantes de Lorena. A USP Leste também não tem moradia. E neste ano, foi aprovado um novo campus, agora em Santos, sem garantia de políticas de permanência, moradia e alimentação dos estudantes. Tudo isso sem debate ou participação da comunidade universidade.

Nós do Juntos! achamos importante que o movimento estudantil da USP tome contato com os movimentos que estão em andamento em outras universidades. E a partir do exemplo d@s estudantes chilen@s vamos fortalecer a luta por uma educação pública, gratuita e de qualidade para tod@s!

Confira o evento e mais informações no Facebook:
https://www.facebook.com/event.php?eid=211453458918956

Vem aí...

Acampamento Internacional das Juventudes em Luta: Rio de Janeiro, abril de 2017