Pelo Direito de Amar

26/out/2011, 18h09

Thaís Stagni


“Amar os outros é a única salvação individual que conheço: ninguém estará perdido se der amor e às vezes receber amor em troca”, essa frase escrita por Clarice Lispector pode ser analisada de maneira crítica ao ser comparada com o mundo atual. Todos os dias vemos ou ouvimos histórias de preconceito e homofobia. Nos ônibus de São Paulo, cartazes guiam a população a ensinar seus filhos a não serem racistas, e mesmo assim o preconceito continua.

O direito do casamento homossexual vem sendo debatido há muito tempo. Com o argumento de que o casamento entre homossexuais pode levar à homofobia e/ou que o matrimônio no estado laico entre gays é contra sua religião, algumas pessoas não conseguem ver o outro lado da moeda. Além de ser apenas um mito, padres e bispos já foram motivo de escândalo por pedofilia. Ano passado, houve uma reportagem que mostrou que padres abusavam de crianças surdas, e ainda assim, existe uma parcela da população que não consegue ver nada além da própria religião.

Todos os dias, homossexuais sofrem ameaças, agressões verbais ou físicas, apenas por tentar ser como qualquer outra pessoa normal. Apenas por querer ser feliz com outra pessoa, como todas as outras pessoas. E mesmo assim, são tratados como doentes, como pessoas erradas, como aberrações. De forma que vivemos em uma sociedade tão distorcida nesse assunto, que um deputado do Rio de Janeiro afirmou certa vez que “se um filho virou gay, foi por falta de porrada”.

A população precisa entender que amar alguém, independente do sexo da pessoa, não é errado. Tudo o que os homossexuais querem é poder viver com alguém que possa lhe proporcionar boas experiências, felicidade e amor. Enquanto para todas as pessoas o casamento é um direito, para os homossexuais é uma luta. É pedir demais? Poder casar com a pessoa que você ama?

Uma famosa frase usada durante 1969 dizia “faça amor, não faça guerra”. Essa frase deveria ser aplicada à todos aqueles que não aprovam o matrimônio homossexual e as relações de amor e cumplicidade entre gays. Se você tem o direito de amar, eles também tem. Pelo direito de amar e ser amado sem o medo de sofrer agressões severas em plena Avenida Paulista, um apelo aos homofóbicos: assim como a sua fé e a sua religião não influenciam a vida dos homossexuais, o amor que eles compartilham não influencia na sua.

Em http://antesdaformatura.tumblr.com/