Mulher se nega a sentar na parte traseira de ônibus e vira símbolo em Israel

20/dez/2011, 10h00

Polêmica envolvendo ultraortodoxos reacende a discussão sobre a segregação de mulheres em espaços públicos do país.

Uma mulher israelense negou-se a ceder às imposições de ultraortodoxos que queriam obrigá-la a ficar na parte traseira de um ônibus e tornou-se símbolo da luta contra a segregação das mulheres em áreas religiosas do país.

Na última sexta-feira, a engenheira Tanya Rosenblit, 28 anos, tomou um ônibus em sua cidade, Ashdod (sul de Israel), com destino a Jerusalém. Como sabia que o ônibus passava por bairros religiosos, ela diz ter tomado a precaução de vestir-se de “maneira modesta”, para não irritar os demais passageiros. Tanya diz que, logo depois de sentar-se atrás do motorista, vários homens ultraortodoxos começaram a xingá-la, mandando-a se deslocar para a parte traseira.

“Disse a eles que não estava fazendo nenhuma provocação, e que, se tratando de um ônibus público, todos os cidadãos têm o direito de viajar nele”, afirmou Rosenblit. “Também lhes disse que comprei minha passagem exatamente como eles e que não tinham o direito de me dizer onde sentar.” Os homens afirmavam, segundo a engenheira, que “não poderiam sentar atrás de mulheres” no veículo.

Em Israel, existem 70 linhas de ônibus, predominantemente utilizadas por ultraortodoxos, nas quais é praticada a separação entre homens, que ficam na parte dianteira, e mulheres, que ficam na parte de trás do veículo. Apesar de protestos de grupos feministas e de grupos de direitos humanos, o fenômeno tornou-se comum em várias regiões do país.

Intervenção policial

Devido à resistência de Rosenblit, os homens impediram o ônibus de prosseguir sua viagem. O motorista acabou chamando a polícia, que também tentou convencer a mulher a se deslocar para a parte traseira. Após a discussão, os policiais instruíram o motorista a prosseguir e disseram que quem não concordasse com a decisão “poderia descer do ônibus”. Vários dos passageiros ultraortodoxos saíram do veículo, e o ônibus finalmente partiu para Jerusalém.

Depois que a engenheira divulgou a história no Facebook, o incidente rapidamente virou notícia nos principais veículos de comunicação no país. A imprensa comparou Tanya à americana Rosa Parks, que, em 1955, negou-se a ceder seu lugar no ônibus a um branco, episódio que virou símbolo da luta contra a segregação racial nos Estados Unidos.

A história de Tanya ocorre em meio a uma polêmica crescente em Israel, causada pela exclusão das mulheres de espaços públicos, imposta por ultraortodoxos. Em Jerusalém, onde grande parte da população é religiosa, não se vê mulheres em outdoors, nem mesmo em propagandas de roupas femininas.

Várias estações de rádio religiosas não transmitem vozes femininas cantando, pois, segundo os preceitos ultraortodoxos, a mulher tem uma voz “obscena”, podendo cantar apenas dentro de sua própria casa. Algumas estações de rádio também pararam de transmitir vozes de mulheres falando.

Na semana passada, homens ultraortodoxos impediram mulheres de participar em uma eleição de lideranças comunitárias, no bairro religioso de Mea Shearim. Depois que a história de Tanya Rosenblit chegou à mídia, a questão da segregação das mulheres foi discutida na reunião semanal do gabinete israelense.

O primeiro ministro, Binyamin Netanyahu, declarou que “o espaço público deve permanecer aberto e seguro para todos os cidadãos”.

Matéria originalmente publicada pela BBC Brasil