Manifesto contra aumento tarifário em Vitória-ES

20/jan/2012, 14h53

Desde o dia 09/01 diversos estudantes, ativistas políticos e profissionais liberais saem ás ruas de Vitória-ES para manifestar contra o aumento das passagens dos coletivos, o ajuste desse ano foi de 6,5 % passando o valor da tarifa de R$2,30 para R$2,45 aos olhos de alguns (principalmente o governo) o ajuste é insignificante, porém trabalhadores e estudantes que utilizam o transporte coletivo todos os dias, pra ir e vir de sua residência nota um rombo significativo em sua renda a cada final de mês, tudo por conta dos reajustes desenfreados que sofremos todos os anos, falando em números, um trabalhador que recebe seu salário mínimo no valor de R$ 622,00 mensais gasta com a passagem (dias úteis) cerca de R$98,00 (por mês), isso se ele se dispuser a sair de casa apenas á trabalho, deixando qualquer tipo de lazer de fora.

Os protestos se agravaram na quarta feira (09/01) quando um dos manifestantes ateou fogo em um dos ônibus da frota Transcol após repressão por parte do batalhão de missões especiais (BME) com o agravamento da situação, a imprensa capixaba passou a taxar os manifestantes de vândalos e baderneiros a fim de construir uma imagem negativa dos mesmos para a população, o secretário estadual de Transportes e Obras Públicas, Fábio Damasceno chegou a dar à seguinte declaração a um jornal local:
“O que houve foi vandalismo. Nós tratamos todas as manifestações dos cidadãos capixabas com muito respeito, mas teve excesso. Hoje os estudantes perderam o respeito, eles são vândalos nãos são manifestantes”.

Agora fica a dúvida, será que um governo que trata manifestantes com respeito chamaria o seu Batalhão de Missões especiais equipado com cassetes e gás de pimenta para reprimir uma manifestação de cunho pacífico?

O governo por sua vez se pronunciou afirmando que o valor da tarifa está mantido e não há condições para revogação da decisão, segundo ele o ajuste é necessário para manutenção dos gastos com a frota, que sobe a cada ano, o governo afirma ainda que esse aumento esta voltado para as melhorias nas condições de locomoção da população, porém no ano passado manifestos foram feitos pela mesma causa, e a resposta do governo foi justamente a mesma, e as melhorias não foram feitas, o transito na grande Vitória continua caótico, com obras inacabadas e más condições das vias, os coletivos continuam trafegando com superlotação e sem condições.

Na terça feira (17/01) um estudante de física da UFES foi preso após confessar participação no incêndio do coletivo, porém foi liberado após prometer ajuda nas investigações de outros suspeitos. Apesar dos pesares os manifestantes do ES não desistem com facilidade, e nem a mídia, nem o governo conseguiram acalmar os ânimos dos militantes que voltaram nesta Quinta feira (19/01) às ruas para nova manifestação, dessa vez de forma mais pacífica ainda, eles caminharam pelas ruas de Vitória anunciando através de um carro de som suas reivindicações que são: a revisão da tarifa, o cancelamento e a devolução do dinheiro do subsídio do Transcol, e mais transparência nos gastos, além de melhorias no transporte público.

Ao fim do manifesto duas pistas da terceira ponte foram interditadas e o BME foi novamente chamado, mas dessa vez utilizou de métodos civilizados como conversa e conseguiu a liberação das pistas, o fim do manifesto foi marcado por um “roletasso” simbólico, para mostrar a todos que é preciso mais que pressão e mentiras das mídias e do governo para reprimir aqueles que lutam pelas causas justas e sociais!

Juntos somos mais!

Vem aí...

Acampamento Internacional das Juventudes em Luta: Rio de Janeiro, abril de 2017