Jovens de Valência tomam a principal praça da cidade por educação de qualidade

27/fev/2012, 23h15

por Tatiane Ribeiro*

Milhares de jovens tomaram as ruas da cidade de Valência, na Espanha. O motivo? Como nossos vizinhos chilenos, eles pedem educação pública e de qualidade. Contrários ao corte de verbas para educação, eles se organizaram através das redes sociais e fizeram um grande ato na Prefeitura. Já são vários dias seguidos de manifestações. A polícia, na tentativa de dispersar o movimento, já agrediu vários estudantes. Oficialmente, mais de 20 pessoas foram presas, incluindo pelo menos cinco menores. Além dos estudantes, pais e professores também participam dos protestos e repudiam a ação violenta da polícia.

Os cortes na educação nas comunidades autônomas (espécie de estados espanhóis) fazem parte de uma série de medidas feitas a pedido do Governo Federal de cortes orçamentários, devido a difícil situação financeira que o país passa por conta da crise. O que parece completamente explicável, na verdade, não é. O governo decide cortar verbas de serviços públicos (a saúde, por exemplo, também deve ser afetada) para pagar a conta dos banqueiros e especuladores. Enquanto isso, o povo continua sofrendo com todos os cortes. A maioria da juventude espanhola não tem a menor perspectiva de emprego ao terminar a universidade. Estão a mercê da política européia, que prefere salvar os bancos e punir a população.

Os jovens da Espanha, de diferentes cidades, tomaram as ruas e as praças em 2011, contra medidas parecidas. O movimento, também organizado por redes sociais, começou em março. Nesse momento, o mote já era claro: “não vamos pagar a dívida”. Depois de várias medidas de cortes de verba em áreas como saúde e educação, além de várias medidas de austeridade, mais de 500 mil jovens tomaram as praças das principais cidades do país, fazendo uma grande acampada. O movimento, que ficou conhecido como 15M, foi um grande exemplo para a juventude do mundo inteiro. Tanto que o movimento de ocupação de praças que aconteceu no dia 15 de outubro uniu jovens de todos os continentes, exigindo Democracia Já!

Contra a repressão

Ao mesmo tempo que continuam protestando contra os cortes orçamentários, mais de 10 mil valencianos também estão na ruas contra a repressão policial. Eles também pedem a demissão imediata de Paula Sánchez de Leon, delegada diretamente ligada à operação que agrediu e prendeu uma série de manifestantes e também de Antonio Moreno, comandante da polícia da região de Valência.

Por outro futuro no mundo inteiro

Nós, do Juntos!, acreditamos que é com a juventude em luta que lutamos por um outro futuro. Por isso, estivemos em várias cidades do país construindo grandes atos.

Esse é mais um exemplo da organização dos jovens exigindo uma nova forma de fazer política. Nós, do Juntos, estamos acompanhando toda a movimentação, e apoiamos os jovens valencianos! Assim como os jovens gregos, de Nova Iorque e do Chile, os espanhóis, desde o ano passado, tem demonstrado que não aceitam mais as coisas como são! Somos todos valencianos!

* Tatiane Ribeiro é estudante de jornalismo da ECA-USP, membro da chapa Não Vou me Adaptar que concorre ao DCE e colaboradora do Juntos!