Juntos! Contra repressão em Uberlândia

07/mar/2012, 01h49

O período de início das aulas na Universidade Federal de Uberlândia foi marcado pela truculência e violência da polícia militar da cidade com os estudantes. Em vários pontos próximos aos dois principais campus da universidade houveram ações de violência e repressão contra os estudantes que se organizavam, de maneira pacifica, para receber os calouros de seus respectivos cursos. Há relatos do uso de spray de pimenta no rosto de estudantes e não acabou por ai.

A violência da polícia culminou no triste episódio ocorrido na noite do dia 27, na qual estudantes do curso de História realizavam a recepção dos calouros, quando várias viaturas, e inúmeros policiais chegaram ao local agindo de maneira bruta e truculenta com os estudantes no recinto. Com a justificativa de uma denuncia, os policiais exigiam que a festa acabasse imediatamente e então os estudantes que organizavam a festa já a encaminhavam para o fim, quando os policiais começaram a exigir a saída imediata de todos os convidados da casa, e ameaçando adentrar ao recinto a todo momento. Ao tentar dialogar com os policiais presentes, demonstrando que, este tipo de ação carecia de um mandato próprio, e que não haveria necessidade de tamanha truculência, uma vez que os estudantes já começavam a deixar o local, dois membros do Centro Acadêmico de História (entidade que realizava a confraternização) foram detidos, sendo que, uma delas, mesmo sendo mulher fora levada sozinha para delegacia acompanhada por quatro policiais do sexo masculino.

Ao perceberem a situação revoltante de abuso de poder que acontecia no local os estudantes presentes se aproximaram em volta do carro, dando as mãos em uma corrente para que o carro policial não deixasse o local. Segundo presentes, neste momento o carro da polícia avançou para cima dos estudantes e vários estudantes foram brutalmente agredidos pelos policiais que tentavam desfazer o cordão humano que circundava o veiculo. Um dos estudantes sofreu um corte grave na cabeça, devido a um golpe desferido por um dos policiais, além de que, um ex professor da UFU, que não se encontravam na festa, mas passava pelo local, vendo tamanha violência tentou intervir e também acabou sendo levado preso.

O saldo desta noite para o movimento estudantil da universidade sem duvida não foi nada bom, mas causou grande revolta e indignação em todos.
Desde já, as movimentações em torno do ocorrido começam a acontecer. Vários setores da sociedade se mobilizaram em torno desta pauta que escandalizou a comunidade acadêmica e a cidade de Uberlândia. Infelizmente a guerra contra a mídia não será fácil, e sabemos que, neste momento mais do que nunca, se faz importante que não só o movimento estudantil, mas todos os movimentos sociais organizados se aglutinem em torno desta pauta que tem como pano de fundo a repressão vivenciada em toda nossa sociedade.

O Juntos! Uberlândia se solidariza com a situação dos estudantes que sofreram agressões físicas e morais, sabendo que, quando um de nossos companheiros é agredido, todo movimento estudantil recebe um golpe de semelhante violência. Neste sentido, reconhecemos a importância de realizarmos debates que possam trazer a tona às contradições imbricadas por trás deste episódio e de, tanto na esfera institucional, quanto nas ruas e na universidade aprofundarmos o debate sobre democracia real versus a repressão vivenciada nos dias atuais. Estaremos Juntos! nas ruas lutando contra a repressão policial em toda a sociedade.

Vem aí...

Acampamento Internacional das Juventudes em Luta: Rio de Janeiro, abril de 2017