Eleições DCE-UFPA: é com Voz Ativa que seguiremos lutando

03/maio/2012, 15h51

*Rodrigo Queiroz

*Silvia Guerreiro Giese

Nos dias 26 e 27 de abril ocorreram às eleições para do Diretório Central dos Estudantes da UFPA, onde 7563 estudantes participaram do processo, um crescimento significativo e uma marca histórica para o ME.

Três chapas estavam na disputa, mas de fato, estavam postos apenas dois projetos, um que pretendia transformar o DCE em uma subsecretária da reitoria e que se materializou na chapa 1 Liga Acadêmica Independente e na chapa 2 UFPA Que Queremos. O outro projeto corresponde a unidade dos grupos de esquerda, dos centros acadêmicos e diretórios do interior que lutam por uma universidade que atenda de fato as demandas estudantis, chapa 3 Voz Ativa.

A gestão do DCE é proporcional e a chapa VOZ ATIVA terá direito a 45% dos cargos, incluindo as 02 coordenações gerais. Unidas, as chapas 1 e 2 terão 55% dos cargos restantes, mas isto não deve ser de longe um fator preocupante, pois o movimento estudantil é conduzido por aqueles que tem política clara e atuam de fato no dia-a-dia propondo e mobilizando de fato a base para as necessidades reais.

Independência e populismo: as alianças da direita e suas promessas vagas

Uma das chapas tentou utilizar o discurso de independente apartidária (fato que vem ocorrendo em várias universidades,  muito devido a falência de partidos que estão jogados na vala da corrupção e fazem as pessoas se distanciarem do cenário da política para não se corromperem com aquilo que ela vem se tornando), mas que é dirigida indiretamente pela juventude do PSDB. É totalmente atrelada aos interesses da reitoria, apresenta um programa implicitamente neoliberal para a universidade e, mesmo antes do resultado já brindava com a outra chapa a unidade da direita no DCE.

A chapa 2 (UJS e Kizomba) com seu discurso populista e falacioso conseguiu muitos votos fortalecendo o falso pensamento que o DCE é uma entidade que tem poder executivo. Passou em sala prometendo a construção de prédios com o dinheiro de políticos corruptos da Assembleia Legislativa do Pará e de outras instâncias. Uma juventude que rouba urnas, que frauda o processo eleitoral, tumultua com xingamentos, agressão física e autoritarismo. Essa juventude vendida, machista, racista e homofóbica quer privatizar os jogos universitários,  só se fará presente na gestão do DCE quando esta for importante para defender seu patriarca REITOR, o resto do ano estará bem longe dos estudantes.

Avançar na unidade de esquerda

Construímos uma chapa de unidade de esquerda para fortalecer uma política de combate e que acredita em um ME dirigido pelos estudantes e não pelas instâncias superiores da UFPA.

Este ano será de combate intenso com a juventude da reitoria e temos uma missão: fortalecer o DCE na luta e nas mobilizações e mostrar de uma vez por todas que não deixaremos uma juventude corrupta e que já deixou de sonhar com um futuro diferente possa chegar perto da entidade que esta hoje e sempre estará nas mãos dos estudantes

Juntos na luta por um dce autônomo e de ação

Nestas eleições podemos provar que Juntos somos mais fortes. Comprovamos que o projeto da juventude em luta só cresceu: aproximamos e consolidamos uma militância nova e aguerrida, ganhamos com uma diferença muito grande em urnas que antes tinham pouca participação e abrimos novos trabalhos e contatos em cursos que antes eram majoritariamente  da direita. Como balanço desse processo, saímos como o setor mais fortalecido e mais renovado da UFPA.

Por fim, lembramos que esses são os primeiros passos de mais uma fase do ME de luta na UFPA e convidamos a juventude indignada a conhecer e se somar com o movimento JUNTOS! Por outro futuro. Vamos fazer um ano onde o sonho de uma universidade Livre, de qualidade e gratuita se torne o catalisador de nossas lutas para que assim possamos inaugurar um ambiente plural e revolucionário.

*Rodrigo Queiroz, estudante de Ciências Sociais, ex-diretor de interiorização do DCE-UFPA, é militante do Juntos.

*Silvia Guerreiro Giese, Executiva Nacional dos Estudantes de Museologia, militante do Junt@s.