Americana, uma nova cidade romana

12/jun/2012, 12h26

Não é de hoje que os cidadãos de Americana estão sendo tratados na base da “política do pão e circo”. Os políticos locais copiam quase que exatamente o que fizeram os romanos a dois mil anos, a única diferença é que por aqui nos concedem apenas o “circo”.

Vários shows são oferecidos à população. O carnaval de rua deste ano exemplifica bem o fato, no que se refere tanto ao exagero do “circo”, como o montante de R$ 500.000,00 gasto dos cofres públicos.

Mas, o preocupante é, enquanto estamos sendo entretidos, a situação dos serviços básicos, beira ao caos e a calamidade. Além disto, várias praças e pontos dirigidos à população estão inacabados, sem contar que em muitos desses casos os prazos de entrega já foram ultrapassados e não há indícios de que irão ser finalizados.

O município está se transformando em ruínas, tal é a quantidade de buracos espalhados por todos os cantos. Pessoas morreram vítimas destes, como das obras inacabadas.

O mais alarmante é a situação da saúde pública, há pessoas morrendo pela falta de médicos, ou pelo tratamento desumano que recebem. Por causa da falta de locais adequados para acomodar os pacientes. Vários atendimentos são realizados nos próprios corredores do hospital municipal, em condições extremamente precárias.

O prefeito usa como novo método de ilusão da população, a maquiagem nas instalações públicas no tom exageradamente alaranjado, com o propósito de fazer uma ligação de tal cor com a sua imagem para facilitar a reeleição.

A mudança dessa situação na qual se encontra a cidade de Americana em que a atual administração e alguns senhores do poder trabalham em favor do seu próprio interesse e enriquecimento, só será mudada quando houver organização e pressão popular e principalmente com a participação da juventude na luta política.

Confira o primeiro podcast do Juntos, gravado por Vitória Gomes e Isabelle Grangeiro, de Americana: podcast-juntos-1.mp3 (2,8MB)

Vem aí...

Acampamento Internacional das Juventudes em Luta: Rio de Janeiro, abril de 2017