Segue a luta por Democracia na UFOPA

22/abr/2013, 03h11

* Eduardo Henrique

Durante a última semana, mais dois atos ocorreram na UFOPA, expondo, mais uma vez, um conjunto de problemas da Instituição, que levam as condições de ensino a serem rebaixadas, causando um profundo descontentamento na Universidade. Já se somam três atos, durante essas semanas, mostrando a todos que o descontentamento é geral, e que a Administração da Universidade já não consegue suprir às demandas devido à falta de Democracia.

No dia 17, os professores da Instituição fizeram um ato, fechando o campus 13263_454699061275858_1640722577_nTapajós, em protesto à portaria que aumenta, ilegalmente, a carga horária de aula dos professores, que diante de tal aumento, terão grandes prejuízos para manterem suas pesquisas, projetos de extensão, dentre outros. Apesar dos problemas, encontram na Administração Superior a falta de diálogo e de democracia, na, marcas da Administração SEIXAS, que não se preocupa em dialogar a respeito. Para além disto, já se mostrou claro, que a falta de diálogo e democracia, vem gerando um conjunto de problemas, que vão desde a falta de laboratórios adequados, até a falta de professores. Com o apoio dos estudantes, o ato conseguiu tomar proporções grandes, mostrando que os problemas não se restringem à questão docente, mas que atingem todas as categorias, e que se faz necessário, portanto, buscar formas conjuntas, na construção de alternativas ao autoritarismo imposto pela Administração Superior.

Seguindo a maré de mobilizações, importante fato ocorreu na última sexta feira, 19, quando indígenas que estudam na UFOPA resolveram mostrar, também, a sua indignação, devido à falta de respeito com a qual vêm sendo tratados pela Instituição de Ensino. No caso dos indígenas, a Universidade tem deixado de auxiliá-los, financeiramente e educacionalmente, tendo em vista que a bolsa auxílio aos indígenas se encontrava atrasada, o que fez com que
alguns indígenas fossem despejados de suas casas, ficando sem moradia, devido ao fato de que os mesmos vêm de suas aldeias morar na cidade para estudar, tendo, também, ficado sem dinheiro para se alimentarem e se deslocarem.

Educacionalmente, o problema se mostra um tanto quanto pior, tendo em vista que uma das reclamações dos indígenas diz que os estudantes, após entrarem na UFOPA por Processo Seletivo Especial (PSE), são abandonados pela Universidade, e não conseguem competir por demais vagas para os Institutos, e consequentemente, menos indígenas conseguem acessar os 400757_2984523508937_1524972581_ncursos que pretendiam inicialmente, graças à falta de assistência adequada, principalmente em casos de indígenas que não sabem falar bem o português e são avaliados como qualquer outros estudante, deixando de lado o seu processo de aprendizado diferenciado, nas suas aldeias.

No dia do índio, portanto, os indígenas resolveram entregar nas mãos dos Pró Reitores todas as suas pautas, reivindicando mais uma reunião com a Administração, para solucionarem os problemas que já se arrastam desde a criação da UFOPA.

Diante de tantos acontecimentos inusitados, o que se conclui é que na Universidade, vive-se um momento de crítica profunda da Administração Superior do professor Seixas Lourenço, que a administra à distância, sem solucionar problemas básicos, como a construção de Laboratórios de Pesquisa, Restaurante Universitário, Prédios com salas de aula adequadas, a contração de professores, dentre outros.

Pontos como esses, que atingem a todos, causam indignação à Administração que sequer se dispõe a reunir e buscar alternativas em conjunto com as categorias que sofrem com os problemas, ou mesmo se dispõe a vir à Comunidade Acadêmica dialogar sobre os problemas da Instituição, ou então
prestar contas de o que ocorre nas finanças da Universidade, que recebe rios de Recursos Federais, mas não justifica o dinheiro repassado para sua implantação, com a construção de prédios novos, por exemplo.

164950_559709314068292_1727641915_nNecessário é, portanto, que se mantenha em foco a necessidade de organização em conjunto, em torno de uma pauta comum que atinge Comunidade Universitária da UFOPA, buscando ocupar os espaços democráticos das Assembleias, buscando entrar em diálogo, para que em conjunto, com exemplo de democracia, a nossa Universidade possa se construir, a partir de agora, chamando a Reitoria a se acostumar com os espaços democráticos, pautando as nossas necessidades e pedindo eleições Diretas e Democráticas para Reitor. A tarefa não será fácil, pois a Universidade, claramente reúne a diversidade de opiniões, de grupos, mas se os espaços democráticos não forem ocupados, os Direitos jamais serão respeitados, ou conquistados. O trabalho em grupo será essencial para dar novos ares (democráticos, dessa vez) à Instituição.

Por isso, nós do Juntos convidamos todos os estudantes a participarem cada vez mais dos espaços políticos, de suas assembleias, defenderem suas opiniões, contribuírem com os debates, votarem, pois é isso que a Administração da UFOPA deixa de fazer, e é o problema central da Universidade. Essa é a lição a ser dada à Reitoria SEIXAS, essa é a UFOPA Que Queremos, a Instituição da participação, da votação, do debate e do diálogo, afinal, isso é democracia.

FORA SEIXAS! DIRETAS JÁ, NA UFOPA!!!

Nos vemos nas Assembleias e nos debates…

* Eduardo Henrique é diretor do DCE da UFOPA e membro do JUNTOS!