Em defesa do Barros e do Bettina, todos ao CONSUN no dia 17

15/dez/2013, 20h22

*Marcelo Ricardo

A um mês atrás, no dia 14/11(quinta-feira), se iniciou oficialmente o debate sobre a EBSERH no Conselho Superior Universitário 1460256_1437705259781052_1724098541_n(CONSUN) que apresentou a proposta de adesão da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH) na UFPA. Ocorreu ainda no dia 6 uma audiência pública organizada pela reitoria, porém conquistada com a pressão dos movimentos; apesar de ter sido uma audiência tendenciosa, onde a correlação de forças na mesa era desvantajosa, o comitê unificado composto pela ADUFPA, DCE e SINDITIFES conseguiram polarizar o debate, e agitar a comunidade, onde os grandes protagonistas dessa audiência não foram as pessoas que estiveram na mesa, mas os estudantes que deram uma grande aula de cidadania e luta. Nossos representantes na mesa mostrando os pontos críticos sobre o que irá significar adesão a esta empresa, e já estamos caminhando para a reta final do debate, e o último CONSUN ocorrido no dia 11 de dezembro, mostrou que a reitoria está bem articulada, onde infelizmente a maioria dos conselheiros não terão coragem de votar contra adesão da empresa, por medo de perder privilégios frente a reitoria. Quais os prejuízos para os estudantes se ocorrer a adesão? Os estudantes serão aqueles que mais irão sofrer as mazelas caso esta empresa seja implementada na UFPA. As parcerias públicas privadas em hospitais universitários já estão muito esclarecidas. Quem paga a banda, escolhe a música! Sendo em um hospital, o que mais movimenta seu caixa são equipamentos e procedimentos de diagnose, o estudante – assim como todo o hospital – estará na lógica de mercado, sendo muita vezes colocado frente a conflitos de interesse da indústria e/ou mercado, entre elas a farmacêutica para pesquisas e ensino. E já nem cito a extensão pois na visão de mercado, objetivamente, teria espaço a extensão? Além do pior e mais obscuro, nada se diz como será feito o controle financeiro do HU, aliás, a universidade perde toda sua autonomia financeira previsto no artigo 207 da constituição, pois se aprovada a EBSERH, a gestão passa a ser privada. Existe um risco das faculdades particulares fazerem planos, pagarem a empresa e ocuparem um espaço que de direito deveria ser nosso. A lógica da produtividade baseada em metas, diminuirá a atenção do professor em ensinar o aluno, pois o mesmo terá que trabalhar nessa lógica para cumprir as demandas, diminuindo a atenção ao ensino. Muitos setores que não dão lucro poderão ser fechados ou terão a quantidade de leitos diminuídos, como por exemplo no HU de Brasília onde a empresa, diminuiu leitos de pediatria de doenças infecto-parasitárias (por serem doenças negligenciáveis), que são setores importantes para a formação do indivíduo e para a população podre, e aumentou setores que dão lucro como oncologia e cardiologia. 1425717_1436576513227260_1201273109_n O tema ainda está em pouquíssimo debate perante a comunidade acadêmica da UFPA, tendo em vista que, levantar o debate sobre as consequências da implementação da EBSERH no Hospital Universitário João de Barros Barreto (HUJBB) e Hospital Universitário Bettina de Ferro Sousa (HUBFS), não está sendo prioridade da administração superior na tentativa de obscurecer as contradições dessa empresa, cuja denuncia é seu próprio estatuto social, pois fere a constituição, a ordem pública e todos os princípios do SUS, portanto é uma afronta a saúde pública, ao povo e aos estudantes. Só a mobilização poderá barra a EBSERH Essa luta não é apenas contra a privatização da saúde, mas também da educação ao permitir a entrada de alunos de faculdades particulares em detrimento dos alunos da UFPA, portanto não podemos nos omitir e cada estudante dessa universidade é um ser responsável direto por este processo, principalmente os da saúde. Precisamos resgatar o aprendizado das jornadas de junho, e mostrar que com a mobilização do movimento estudantil e do povo é possível barrar a EBSERH. Portanto devemos comparecer a reunião final do CONSUN no dia 17 de dezembro às 9h00 no auditório da SEGE da reitoria no terceiro andar.

*Estudante de Pos-Graduação em Saúde Pública, membro do DCE-UFPA, militante do juntos