Violência no transporte público: até quando as mulheres passarão por isso?

21/mar/2014, 11h02

Vânia Silva*

Estamos diante de mais um dos muitos casos de assédio que ocorrem cotidianamente dentro dos ônibus, trens e metrôs. Desta vez o ocorrido foi na estação da Luz em um trem da linha 7-Rubi. Adilton, universitário, cursando o 5º semestre de administração encostou e tentou tirar a força sua calça, ejaculando na calça dela. Quantos outros casos ocorrem desta mesma forma todos os dias?

A vítima, uma supervisora, 30 anos de idade, sofreu uma luxação no braço e o azar de ser “apenas mais uma” das das que sofrem abusos dentro dos transportes coletivos. Adilton afirma que sua ação infelizmente foi um fato que aconteceu já que o trem estava muito cheio e que ele não aguentou! Não aguentou segurar uma mulher pelos braços, e não aguentou ejacular em sua calça com seu pênis para fora!

Sabemos muito bem que esse tipo de abuso ocorre com frequência dentro dos trens, agora com a ajuda da internet, mais organizados, mais audaciosos e sem dúvida sem medo algum de serem pegos, já que algumas das vítimas não denunciam e não tomam providencias, diferentemente desses casos o desfecho deste foi diferente, a vítima que não se calou e as pessoas que estavam no trem também não ficaram omissas.

Tomaram providencias, a mulher não se calou, denunciou. Mas quantas mulheres passam por isso diariamente e não conseguem denunciar? Culparemos essas mulheres, que não sabem o que fazer diante e violências como essas? É preciso que se tomem medidas urgentes. Não podemos esperar que mais casos como esses aconteçam. Nós, do Juntas, exigimos que a segurança das mulheres seja assegurada no transporte público!

*Vânia Silva é militante do Juntas! SP e do Juntos! Zona Oeste

Vem aí...

Acampamento Internacional das Juventudes em Luta: Rio de Janeiro, abril de 2017