Manifesta UnB! Sigamos juntos, em defesa de um novo projeto de universidade!

21/maio/2014, 16h50

*Ayla Viçosa e Tulio Santos

As eleições da Universidade de Brasília, finalizadas na última semana, tiveram um grande resultado político: com quase 10 mil votos, a eleição foi o maior pleito eleitoral realizado nos últimos anos. Apesar do resultado, que deu a vitória ao grupo conservador Aliança pela Liberdade, o grande número de votos nos mostra que há um desejo de participação ativa no movimento estudantil da UnB. O Juntos! fez parte ativamente desse processo, tendo grande protagonismo na construção da chapa Manifesta, que ficou em segundo lugar com 36,2% dos votos. Hoje na Universidade de Brasília 3557 estudantes querem construir um novo projeto na Universidade de Brasília: um projeto popular, conectado com a cidade, que garanta o caráter público da Universidade, que dê condições de acesso, através das cotas raciais e sociais aos estudantes negros e de baixa renda e condições de permanência através da garantia da assistência estudantil.

roda

“Só há duas opções nesta vida: se resignar ou se indignar. E eu não vou me resignar nunca”. Seguindo as palavras de Darcy Ribeiro, nós preferimos continuar organizando a nossa indignação. A Manifesta, composta por diversos grupos e coletivos de estudantes, foi a maior chapa inscrita no processo eleitoral do DCE. Na nossa arte de campanha estava o rosto de Angela Davis, ativista americana, conhecida por fazer parte do Panteras Negras e pela sua forte militância pelos direitos das mulheres e contra a discriminação social e racial nos Estados Unidos. Angela Davis foi escolhida para representar a nossa indignação, que seguirá sendo expressa para além do resultado dessas eleições. Continuaremos presentes nos centros acadêmicos, nos conselhos superiores da UnB e nas reuniões de CEB (Conselho de Entidades de Base) pressionando sempre para que a Universidade avance e nunca abra mais as suas portas para o conservadorismo. A luta e a mobilização coletiva é a via legítima para concretizarmos nossas reivindicações.

angela

Ao longo da campanha, a Manifesta trouxe o espírito das Jornadas de Junho para a Universidade. Fomentou debates que se enraizaram nos mais diversos cursos e faculdades. Debates feministas, contra a LGBT*fobia, contra o racismo, em defesa da assistência estudantil, dos(as) indígenas, e que efetivamente pautassem a importância de uma universidade de excelência, socialmente referenciada, pública, acessiva, democrática e diversa. Debates muitas vezes negligenciados pelo DCE nos últimos anos dois anos.

Passamos em muitas salas de aula divulgando o nosso projeto de universidade alternativo. E com a mesma energia que nos dedicamos à campanha, nós, do Juntos!, fazemos um chamado a cada integrante, apoiador e votante da Manifesta, a seguirem comprometidos com essa mudança desejada, defendendo uma UnB como a sonhada por Darcy Ribeiro, e um movimento estudantil que realmente inspire-se na imagem e na história de Honestino Guimarães, e de tantos estudantes que perderam suas vidas lutando pela democracia. Assim como, somente com a mobilização coletiva das ruas derrotamos o aumento das passagens em diversas cidades em 2013, no movimento estudantil da UnB não devemos ter ilusões: a luta organizada é a que muda!

Hoje, a comunidade universitária enxerga em todos(as) nós uma oposição crítica e presente nos processos da universidade, que pauta um projeto novo para a UnB, que leva em conta a dimensão da diversidade dos(as) estudantes e que tem a preocupação de representar e construir uma nova UnB em conjunto com todos os setores da Universidade. Com organização, independência das vontades da reitoria ou de qualquer outro instrumento burocrático, superando qualquer barreira para a realização do que é almejado por todos nós. Por tudo isso, Manifesta UnB! Sigamos juntos, em defesa de um novo projeto de universidade! A oposição já está formada.

resultado

*Ayla é estudante de Ciências Sociais e Tulio é estudante de Engenharia Florestal da Universidade de Brasília.

Vem aí...

Acampamento Internacional das Juventudes em Luta: Rio de Janeiro, abril de 2017