Thiago Aguiar: A mudança na Grécia trará a mudança para a Europa e esperança para o mundo!

22/jan/2015, 19h57

 

Leia abaixo a tradução e a transcrição da entrevista que Thiago Aguiar, do Grupo de Trabalho Nacional do Juntos!,  concedeu à rádio grega Stokokkino, direto de Atenas na semana das eleições que podem colocar o SYRIZA a frente do governo da Grécia.

—————————————————————————————————————

Há um enorme interesse no Brasil para as eleições gregas, disse pra stokokkino.com, Thiago Aguiar, membro do PSOL e um dos membros fundadores da organização juvenil esquerda Juntos. Thiago, ressaltou que há descontentamento entre o povo brasileiro, especialmente após os cortes recentes, promovidas pelo governo da presidente Dilma Rousseff.

Por último, ele expressou que há um enorme interesse no Brasil para uma eventual vitória do SYRIZA nas eleições de 25 de janeiro, na esperança de que isso poderia marcar uma mudança na Europa também.

Jornalista Melina – Você está aqui na Grécia. Por quê um jovem brasileiro ativista de esquerda vem para a Grécia, qual o interesse brasileiro nas eleições gregas?

Thiago – Bom, antes de tudo, saudações brasileiras. Faço parte de um partido de esquerda, um partido socialista e libertário no Brasil, e com certeza o interesse é enorme nas eleições gregas por parte das organizações políticas. Não apenas por nós, mas na imprensa, as lideranças políticas, querem acompanhar o processo eleitoral pois todos sabem que nos dias de hoje tudo que acontece aqui repercute na Europa e em todo mundo. Nós sabemos disso, sentimos isso, e é por isso que nosso partido decidiu enviar uma delegação para cá para trocar experiência com os militantes do Syriza. Aprender com este processo, entender o que está acontecendo neste momento, e acompanhar as primeiras medidas de governo esquerda de Syriza, assim esperamos que seja.

Melina – Então, o que o seu partido, PSOL, espera após a vitória do Syriza?

Thiago – Nós acreditamos que será um governo de enfrentamento à Troika, ao Banco Central da Europa, ao FMI, que enfrentará todas as medidas impostas pelo grande capital financeiro. As medidas de austeridade afetam você e o povo da Grécia, mas também povos como o nosso no Brasil. Agora no Brasil nós estamos enfrentando uma série de imposições do capitalismo financeiro, o que é chamado de “ajuste” na economia. Isso significa menos direitos, menos investimentos em áreas sociais, cortes de verbas. Agora temos um novo ministro da fazenda que vem adotando este tipo de política financeira. Nós sabemos que a vitória do Syriza pode dar início a um novo período mundial, um momento em que… Como posso dizer, poderemos respirar de uma maneira melhor, podemos encontrar no governo de esquerda de Syriza um abrigo frente às políticas de ajustes, às medidas neoliberais. É por isso que temos grande interesse aqui, e também sabemos que Syriza é um partido que responde à muitas das questões de nosso momento mundial, é um partido que pode unir diversas organizações, diferentes tradições, há um pluralismo neste partido que também trazemos no PSOL, são características que visam reorganizar a esquerda socialista internacionalmente.

Melina– Um partido plural?

Thiago– Exatamente. O PSOL funciona da mesma maneira, como uma reorganização da esquerda socialista e sabemos que isso é uma grande tarefa, tentar construir novas plataformas plurais e temos certeza que vamos aprender muito com a Syriza

Melina – Você quer aprender também, mas você age no Brasil? A situação é de cortes, ajustes, como seu partido age diante disso?

Thiago – Bom nós vivemos uma série de movimentações há dois anos atrás, e a esquerda socialista foi parte disso. Nós vivemos uma nova situação em nosso país, porque o principal partido de esquerda dos últimos 25 ou 30 anos estava no poder, que foi parte da organização do movimento social no último período, assim que chegou ao governo começou a aplicar medidas neoliberais também, e por isso ficou de fora das grandes manifestações de 2013. Desde as primeiras manifestações daquele ano, o PT perdeu o controle que tinha sobre os movimentos sociais, então há uma nova geração de ativistas, agora contra este governo, demandando nas ruas mais direitos, contra os cortes, reclamando de serviços públicos ruins, e a esquerda socialista está lutando junto com estas pessoas. Nós fomos parte das manifestações de 2013. Agora nas primeiras duas semanas do ano nós temos vivido muitos conflitos, porque eles decidiram fazer as mesmas coisas que fizeram em 2013, decidiram aumentar o preço das passagens do transporte público, e isso despertou uma resposta muito forte em São Paulo e outras cidades. Nós achamos que teremos um 2015 de muitos conflitos e demostrações, e é nesta conjuntura que queremos fortalecer também nosso partido, queremos ser parte deste momento e construir uma nova plataforma política. Nós participamos ativamente das eleições de 2014, nossa candidata Luciana Genro terminou a campanha em 4º lugar, e então podemos ver que nosso apoio social está cada vez maior. Nós esperamos um dia poder fazer o mesmo que o Syriza no Brasil.

Melina– Você poderia deixar uma mensagem ao povo grego ou ao Syriza?

Thiago – Eu acho que eu que tenho que receber mensagens de vocês, porque eu vim aqui para entender e aprender com vocês todos. Se eu pudesse dizer algo, diria que nós estamos muito esperançosos com esta eleição, nós sabemos que a esperança está chegando. Estaremos hoje no último grande evento da campanha em Omonia, esperamos que no dia 25 de janeiro Alex Tsipras seja eleito o novo primeiro ministro da Grécia e que assim comece um grande momento de mudanças no país, para expulsar a Troika, num novo período de mais direitos, recuperar a esperança, melhores salários e serviços públicos, tudo que a Troika conseguiu destruir nos últimos 3 ou 4 anos.

Fonte: Rádio Sto Kokkino