Stédile ameaçado de morte: Nota de solidariedade a Stédile e ao MST

13/mar/2015, 10h42

Um panfleto virtual compartilhado nas redes sociais oferece R$ 10 mil pela morte de João Pedro Stédile, dirigente da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores sem Terra (MST). A sórdida imagem foi denunciada ontem pelas lideranças do movimento às autoridades policiais do Rio de Janeiro, estado onde reside a primeira pessoa que divulgou o meme.
Ainda que tenhamos diferenças com Stédile na leitura da atual realidade brasileira e nos posicionamentos em relação ao governo federal, é inegável que estamos diante de mais uma ação criminosa incitada por setores raivosos da direita brasileira. O alvo desta campanha covarde não é só Stédile, mas todos os que lutam pelo direito à terra, reconhecido na Constituição de 88, após décadas de mobilizações populares. Não é difícil perceber que, surfando na criminalização dos movimentos sociais fomentada pela mídia empresarial, os delinquentes engajados nessa provocação são aqueles que vivem propagando o horror aos valores democráticos.
Por isso, a ameaça de morte a Stédile não pode ficar impune.  Em um país onde centenas de camponeses foram e continuam sendo brutalmente assassinados ao defenderem a reforma agrária que o Brasil tanto necessita, a Polícia Federal e o Ministério Público têm o dever de investigar e a Justiça precisa, eventualmente, punir de modo exemplar os atores escusos por trás desta cruzada reacionária.
Além do repúdio ao discurso de ódio, o JUNTOS expressa nesta nota total solidariedade a Stédile e aos companheiros do MST. Os fascistoides não conseguirão abaixar os punhos e arados erguidos!