11A: NO DIA DO ESTUDANTE A JUVENTUDE TOMOU AS RUAS DE BELÉM

Adriano Mendes 11/ago/2015, 23h36

O ano de 2015 está sendo marcado com grandes ataques aos direitos da classe trabalhadora e da juventude com cortes de verbas absurdos nas áreas sociais e em especial na educação, o que mostra uma grande contradição com o atual slogan do governo federal: “Brasil, pátria educadora”.

Por isso, diferente dos anos anteriores em que o dia do estudante era comemorado apenas com uma programação diferente nas escolas, hoje a juventude das escolas e universidades públicas resolveram tomar as ruas de Belém e denunciar o governo Dilma (PT) e seu ajuste fiscal, o governo Jatene (PSDB) que cada vez mais sucateia a educação pública no estado do Pará, estando inclusive com propostas de privatização das escolas públicas, e também denunciar os ataques aos direitos da juventude como a redução da maioridade penal propostas por Eduardo cunha (PMDB) e seus aliados.

A proposta de que a iniciativa privada gerencie as escolas públicas no estado do Pará é um ataque brutal na educação, pois o objetivo é mascarar que nosso direito está sendo privatizado, além, é claro, que a proposta garante repasse de dinheiro público para iniciativa privada, sendo que este investimento poderia melhorar as condições de ensino no estado que possui escolas sucateadas, com problemas estruturais sérios como falta de climatização e reformas adequadas das salas de aula, espaços de esporte e cultura, merenda escolar, assim como arrocho salarial dos professores que tiveram uma forte greve no primeiro semestre, mas que até agora estão tendo cortes em seus salários.

Nas universidades a greve continua e até agora o governo federal se recusa a negociar, seguindo com as políticas de cortes na educação com mais de 40% do orçamento das universidades e 75% do orçamento da pós-graduação, sucateando cada vez mais o ensino superior.

O ato de hoje, em unidade com diversos grupos organizados do movimento estudantil, foi um passo muito importante para as lutas que virão, mostrando que estamos mais vivos do que nunca e que com a atual conjuntura há cada vez mais disponibilidade pra lutar, sendo que a organização coletiva será nossa principal arma em defesa dos nossos direitos. Juntos com quase 500 estudantes a manifestação se direcionou ao CIG (Centro Integrado de Governo) onde protocolamos um manifesto com várias pautas de reivindicação.

Seguiremos em luta Juntos!

Adriano Mendes é estudante de Ciências Sociais da UFPA e do GTN do Juntos!

Vem aí...

Acampamento Internacional das Juventudes em Luta: Rio de Janeiro, abril de 2017