Aos cotistas do PAS: Quanto mais nos negarem espaços, mais os ocuparemos.

Ayla Viçosa 18/jan/2016, 09h43

Na última quarta-feira (13/01), Alexandre Garcia, comentarista do Jornal DF TV da Rede Globo, nos presenteou com mais uma de suas declarações elitistas e meritocráticas: alegou que a maioria dos estudantes de escolas públicas aprovados na UnB pelo PAS não “mereceriam” estar na universidade por terem ingressado pelo “pistolão” que seriam as cotas.

É claro que essa declaração gerou revolta e insatisfação nas redes. Professores e estudantes manifestaram-se diante dos absurdos ditos por Alexandre Garcia, mostrando como esse senhor, apadrinhado da ditadura, deveria calar a sua boca ao invés de ficar destilando seu elitismo e racismo na rede aberta de TV.

Nesse espaço de tempo todo, cabe perguntarmos: Por que o DCE da UnB, gestão Aliança pela Liberdade, normalmente com posicionamentos prontos para tudo que diz respeito a Universidade de Brasília, ainda não deu uma declaração sobre o absurdo proferido pelo jornalista da Globo? Por que a entidade responsável por representar todos os estudantes da UnB se cala diante de um ataque tão frontal a mais de 600 calouras/os dos mais diversos cursos que estão ingressando nessa universidade?

Que a Aliança pela Liberdade mente não é nenhuma novidade para todos aqueles estudantes que já os conheceram em outros carnavais. O DCE da UnB se cala diante das declarações de Alexandre Garcia por ter sido esse mesmo DCE que, com suas cadeiras de representação discente no CEPE (Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão) votou contra a política de cotas raciais na UnB – sendo sempre oportuno lembrar que a UnB, somada a universidades como a UNEB, foi vanguarda no Brasil na adoção da política de cotas raciais, antes mesmo da lei das cotas ser aprovada em 2012.

A Aliança pela Liberdade, então gestão do Diretório Central dos Estudantes, tem em seu núcleo de fundadores um “figurão” do círculo íntimo da direita liberal de nossa universidade que foi participante direto, anos atrás, de um documentário categoricamente contrário a política de cotas raciais nas universidades.

O projeto de universidade que Alexandre Garcia e a Aliança Pela Liberdade defendem é o mesmo! Um projeto que se diz meritocrata, mas só reconhece o “mérito” daqueles que historicamente tem mais facilidade para acessar direitos no Brasil – pois neste país acesso a direitos ainda é um privilégio para poucos. Se cuida Aliança, se cuida Garcia! Porque a universidade vai se vestir cada vez mais de povo, vai se tornar cada vez mais quilombo e cada vez menos Casa Grande.

Vem aí...

Acampamento Internacional das Juventudes em Luta: Rio de Janeiro, abril de 2017