Deputada Janira Rocha (PSOL/RJ) participa ativamente das manifestações dos bombeiros do Rio.

06/jun/2011, 20h01

Rio de Janeiro, 4 jun (EFE) – A Polícia Militar prendeu neste sábado mais de 2 mil funcionários do Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro que invadiram na noite da sexta-feira o quartel central de sua corporação para exigir melhores condições de trabalho e um aumento salarial.

A chamada “tropa de elite” do Batalhão de Operações Especiais (Bope) da Polícia Militar usou gás lacrimogêneo e bombas de efeito moral para invadir o quartel dos bombeiros, em uma ação que não registrou feridos, segundo informaram as autoridades.

No entanto, a deputada regional Janira Rocha, do Partido do Socialismo e a Liberdade (PSOL), que passou a noite com os manifestantes e as famílias que se uniram ao protesto, denunciou a jornalistas que uma mulher grávida sofreu um aborto espontâneo durante a ação policial.

A porta-voz da Polícia Militar do Rio de Janeiro, a coronel Ibis Pereira, indicou a imprensa que cerca de 600 manifestantes foram levados ao Batalhão de Choque, onde passarão por uma inspeção.

O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, convocou os comandantes das forças de segurança do estado do Rio e seus principais secretários para uma reunião emergencial na qual se tratará do assunto.

Na noite da sexta-feira, os empregados do Corpo de Bombeiros forçaram e romperam os portões para entrar no edifício e se concentraram no pátio principal.

Os trabalhadores pedem, entre outras coisas, um aumento salarial de 100%.

Durante o protesto, os manifestantes impediram a passagem de dois caminhões de bombeiros que tentavam sair do parque para atender serviços de emergência.

Algumas das principais ruas do centro do Rio de Janeiro foram afetadas pelo protesto.

As exigências por reivindicações trabalhistas no Corpo de Bombeiros da segunda maior cidade brasileira começaram há dois meses.

Agência Estadão:

Entre 300 e 500 bombeiros que participaram na noite de ontem e madrugada de hoje da invasão do quartel central da corporação, no centro do Rio de Janeiro, estão presos no Batalhão de Choque da Polícia Militar. Eles estariam sendo autuados por motim e depredação do patrimônio público, mas a informação não foi confirmada oficialmente pelo comando da Polícia Militar (PM).

Um grupo de cerca de 50 pessoas – bombeiros de outros quartéis que participaram ou não da manifestação e parentes dos militares – protesta do lado de fora do quartel, pedindo a libertação dos homens, mulheres e até menores que foram detidos.

A entrada do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) no quartel central dos bombeiros ocorreu hoje, por volta das 6 horas. Segundo manifestantes que não foram presos e outras testemunhas, além de armamento não letal, como bombas de gás lacrimogêneo e granadas de efeito moral, a tropa de elite da PM teria disparado balas de fuzil para expulsar os manifestantes de dentro do quartel.

Pelo menos cinco crianças foram levadas para o Hospital Souza Aguiar, ao lado de onde ocorria o protesto, atordoadas e com ferimentos leves. Segundo funcionários do hospital, elas foram acalmadas, medicadas e liberadas em seguida.

Integrante da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa, a deputada estadual Janira Rocha (PSOL) passou a madrugada acompanhando o protesto dos bombeiros dentro do quartel e disse que só não houve uma tragédia porque o movimento é pacífico e porque os manifestantes tinham treinamento militar.

“Foi terrível o que aconteceu lá dentro. O Bope invadiu por trás, jogando bombas de gás e disparando balas de verdade. Tem carros dos bombeiros lá dentro arrebentados a bala. Se os bombeiros não estivessem em movimento pacífico e ordeiro poderia ter ocorrido uma tragédia”, afirmou a deputada, exibindo cápsulas deflagradas de fuzil e pedaços de bomba de efeito moral. “Essas pessoas que estão sendo penalizadas são as mesmas que salvam vidas em incêndios e nas praias do Rio. Ganham o pior salário da categoria no Brasil. Quero saber se o governador (Sérgio) Cabral, responsável por essa operação, consegue se alimentar em Paris com os R$ 950 que são pagos a esses homens e mulheres.”

Representantes da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) também estão na porta do quartel do Batalhão de Choque, acompanhando a autuação dos bombeiros. O governador Sérgio Cabral, que deve conceder entrevista coletiva à imprensa ainda na manhã de hoje, permanecia reunido, às 11 horas, com o secretário de Segurança Pública, José Mariano Beltrame, a procuradora-geral do Estado, Lúcia Lea, e vários secretários de Estado. Não há previsão para o início da entrevista.