Tu é negão? Sim, eu sou Negão.

06/set/2011, 17h34

*Rodrigo Leite

O negro foi trazido para um lugar desconhecido, para viver de modo totalmente diferente. Antes reis, rainhas, guerreiros… passaram a escravos sem nenhum direito e com muitos deveres, erguendo uma nação. Quando não mais necessária a força do trabalho escravo negro…livres. Livres? Acho que não. A abolição não se deu porquestões humanitárias, mas sim por conveniência ao sistema que estava por vir, uma vez que o modelo escravagista não servia mais  à economia e aqueles que antes eram vistos como coisas, ferramentas de trabalho, agora deveriam ser visto como “reservas” no novo esquema. O Brasil foi um dos últimos países a abrir suas senzalas e fezisso de forma cruel, deixando o negro refém da sua própria sorte.

Essa abolição mal construída atendeu apenas aos interesses econômicos. Convenientemente não foi acertada a situação daqueles que durante centenas de foram humilhados.Deviam-nos justiça, deviam-nos direitos de povo livre e ainda nos devem. Se ontem vivíamos em senzalas e quilombos, hoje vivemos em cortiços e favelas, se antes eram os açoites que nos marcavam o corpo hoje são as surras da policia, se não tínhamos o direito a aprender a ler e a escrever, hoje nos é ofertado um ensino de péssima qualidade, somos privado do acesso à faculdade. A adoção de políticas públicas de ações afirmativas é urgente!  É necessário que se tenha seriedade na aplicação das cotas, não apenas visando o aumento estatístico de negros para que o governo possa alardear que “ nunca antes na história desse país tiveram tantos estudantes negros nas universidades”, mas simproporcionando uma educação digna, que prime pela formação qualificada e socialmente referenciada. Nós negros precisamos rearticular nossas mobilizações e as lutas pelos nossos direitos, já que não só erguemos essa nação como nossa cultura, musica, religião faz parte do que o Brasil tem de melhor.  Nada mais justo que sermos reconhecidos e para isso é preciso que nós mesmos nos reconheçamos enquanto negros.  Eu sou Negro não sou pardo, nem moreno, menos ainda mulato. Essas divisões são feitas para descaracterizarnossa identidade, pois muitos acham que ser negro é algo ruim, o que não é verdade.  No Brasil o racismo é institucional, é escondido, é na manha… quando aceitarmos que ele existe, quando aceitarmos nossa condição de classe enquanto negros, poderemos combate-lo de forma mais eficiente. Vamos em frente Juntos! Lutar pelos nossos direitos sem hipocrisia, vencendoo racismo e todas as mazelas que são produto da discriminação racial.

*Rodrigo Leite é coordenador do grupo de negras e negros do JUNTOS! Pelotas