JUNTOS no 15.O Porto Alegre!

19/out/2011, 16h38

*Raquel Matos

Porto Alegre vibrou em muitas cores neste 15 de outubro. Mais de 2500 pessoas atenderam ao chamado às mobilizações e ocuparam as ruas da capital. Na acampada, aproximadamente 500 pessoas passaram a noite que foi embalada com músicas de protesto e celebração de um novo tempo.

Há algumas semanas o JUNTOS vinha construindo com indignados gaúchos um grande ato no 15.O. Buscamos durante todo o tempo, com muita tranquilidade e diálogo, unir os diferentes grupos que vem se organizando através das Redes Sociais e promovendo pequenas mobilizações. Conseguimos construir uma proposta de programação e itinerário únicos. Organizamos uma assembleia para discutir e aprovar as questões de infraestrutura do acampamento previamente.

Para nossa surpresa, houve grande repercussão na mídia tradicional, para além das alternativas. O 15.O Porto Alegre foi o maior ato do Brasil! Muitas cidadãs e cidadãos apareceram. Famílias inteiras, crianças. A caminhada que fizemos foi marcada por muitas vozes e diferentes bandeiras. Nem tod@s compartilhavam com as ideias da esquerda, mas todos estavam ali pedindo mudanças concretas, exigindo uma Democracia Real Já!

A chegada à Praça da Matriz, praça do poderes de Porto Alegre, foi linda! O Monumento a Júlio de Castilhos foi “abraçado” por dezenas de faixas, cartazes e todas as faces ganharam máscaras do Anonymous. Estava assim iniciada a Acampada Porto Alegre 15.O. O resto do dia foi ocupado por atividades autogestionadas. O JUNTOS promoveu o excelente debate “A crise capitalista e a resposta da juventude”. em que aproximadamente 250 pessoas ouviram atentamente e falaram sobre a crise europeia, o protagonismo dos jovens chilenos, as possibilidades de organização da juventude neste momento. Após uma bela roda de capoeira, iniciaram as apresentações das bandas contatadas pelo JUNTOS e que toparam fazer os shows de graça. Arte e engajamento político se misturaram. E na noite de Porto Alegre, em pleno centro da cidade, letras de protesto e o grito da juventude ecoaram.

No domingo poucas pessoas restaram, mas o Juntos permanecia firme. Fizemos uma baita oficina de grafite. No final, levantamos acampamento, limpamos e varremos a praça e seguimos nosso rumo. Fomos pra casa, mas já não éramos mais os mesmos que voltavam. A esperança renovada por algo que começou a mudar. A certeza de que fomos protagonistas dessas, ainda, pequenas mudanças. Já não éramos mais os mesmos, por que éramos mais… outras pessoas voltaram JUNTOS!

*Juntos Porto Alegre