Vereadores aprovam reajuste salarial de 126% em Campinas

12/dez/2011, 23h28

*Marcela Moreira

Em sessão tumultuada e sob pressão popular, os vereadores de Campinas aprovaram o aumento salarial de 126% nos próprios salários. Foram 28 votos a favor do aumento, 2 contrários, 2 ausentes e o Pedro Serafim (PDT), como presidente da Câmara, não precisava votar, mas foi quem propos o aumento.

O que teve na sessão de hoje só tem um nome: manobra. O vereador Josias Lech, do PT, pediu tempo pela liderança do governo para falar sobre uma matéria que nem estava na pauta: a votação da macrozona 5 e com isso, atraiu a atenção de boa parte da população, muitos vindos da região do Ouro Verde e do Campo Grande. Enquanto o povo era orientado por comissionados do PT a gritarem “macrozona”, a votação do aumento salarial aconteceu.

A maioria não percebu o que ocorria, pois o aumento que constava na pauta, aparecia de forma velada como podem perceber: “Regulamenta o artigo 10 da Lei Orgânica do Município para os anos de 2.013 a 2.016”. Utilizaram-se da burocracia, do véu da desinformação e aprovam este vergonhoso aumento. Não explicitaram para o cidadão, que saiu da sua casa e foi ao plenário para mostrar sua indignação contra o aumento, a sacanagem que aprontavam. Pior é ver o PT cumprindo o papelão de utilizar gente simples da periferia como massa de manobra, para tirar a atenção do que ocorria. Vergonha maior é ver 28 vereadores se dando um presente tão generoso e que será pago com o meu e o seu imposto.

Depois da votação, começou o tumulto. A Guarda Municipal, ao invés de prender os que merecidamente deveriam ser punidos por enganar o povo, agiram de forma truculenta contra as legítimas manifestações dos indignados, com gás de pimenta, cassetetes, além de seu novo armamento, a taser, que dá choque e paralisa quem recebe a desacarga.

E os vereadores? Sairam do plenário, rindo da situação.

Ainda duvidas que você não deve votar nestes vereadores e nem em seus partidos no ano que vem? Não se iluda com a cassação do Hélio.

A Câmara não tem o direito de dar risada da cara do povo. Confira abaixo quem votou favorável ao aumento do próprio salário e depois gargalhou as nossas custas:

* Antonio Flôres (PSB) – Sim
* O Politizador (PMN) – Não
* Arly de Lara (PSB) – Sim
* Artur Orsi (PSDB) – Sim
* Aurélio Cláudio (PDT) – Sim
* Campos Filho (DEM) – Sim
* Cidão Santos (PPS) – Sim
* Dário Saadi (PMDB) – Sim
* Dr. Sebastião dos Santos (PMDB) – Ausente
* Dr. Élcio Batista (PSB) – Sim
* Francisco Sellin (PMDB) – Sim
* Gilberto Cardoso (PSDB) – Sim
* Jaírson Canário (PT) – Sim
* Jorge Schneider (PTB) – Sim
* Josias Lech (PT) – Sim
* Leonice da Paz (PDT) – Sim
* Luiz Cirilo (PSDB) – Sim
* Miguel Arcanjo (PSC) – Sim
* Paulo Oya (PSC) – Sim
* Peterson Prado (PMDB) – Sim
* Professor Alberto (DEM) – Não
* Rafa Zimbaldi (PP) – Sim
* Sebá Torres (PSB) – Sim
* Serafim Júnior (PDT) – Não votou
* Sérgio Benassi (PCdoB) – Sim
* Tadeu Marcos (PTB) – Sim
* Thiago Ferrari (PTB) – Sim
* Valdir Terrazan (PSDB) – Sim
* Vicente Carvalho (PV) – Sim
* Zé Carlos (PMDB) – Sim
* Zé Cunhado (PP) – Sim
* Zé do Gelo (PV) – Sim
* Carlos Signorelli (PT) – saiu na hora da votação. Se realmente estivesse contra o aumento, permaneceria no plenário e votaria contra.
*Ex-vereadora de Campinas pelo PSOL e colaboradora do Juntos!

Juntos! Contra o Aumento dos Vereadores de Campinas:

(carta divulgada antes da aprovação do aumento)

Juntos! Campinas

Campinas está prestes a terminar um ano caótico, em que teve um prefeito deposto a partir de denúncias de corrupção e o atual oscilando dentro e fora do exercício do mandato. O vácuo político paira sobre diversos setores, enquanto os tentáculos que dominam a cidade vêm se articulando para controlar a nova situação da mesma forma- muitos deles ramificações da quadrilha denunciada pelo MP e pela Gaeco, que protagonizaram o desvio de 615 milhões de reais da Sanasa.

Enquanto o fim de ano chega sem soluções para problemas de longa data, os vereadores votam hoje (12/12, segunda-feira) o aumento de seus salários de R$6.626,57 para R$15.000. Um acréscimo de 126% ou a equivalência a 75% do salário de um deputado estadual. A “revisão” dos últimos anos de salário dos vereadores se vale do cinismo histórico que contradiz a realidade do país: 25% da população têm uma renda mensal de até R$ 188,00 e 50% têm uma renda mensal inferior a R$375,00 (resultados do Censo 2010).

Essa afronta à dignidade dos cidadãos campineiros não pode ser tratada de forma leviana, pois mostra os desafios que temos pela frente: Superar uma política dominada por interesses particulares e pelo oportunismo, uma política que precisa que todos participem para contemplar a todos. Seguiremos Juntos para a Câmara dos vereadores nessa segunda-feira para enfrentar esse cinismo dos nossos representantes, e seus discursos vazios não nos farão esquecer ao que viemos: Queremos o aumento sim! Aumento para educação, para saúde, para cultura, para habitação, queremos viver mais e melhor. Se você também acredita que vale a pena lutar por essas ideias, então estamos e estaremos Juntos!

Vem aí...

Acampamento Internacional das Juventudes em Luta: Rio de Janeiro, abril de 2017