Legalize a boemia!

22/ago/2012, 15h09

* Nathália Bittencurt e Cecília Ribeiro

Operação Cultura Zero é a definição certa. A interdição de 22 bares na Cidade Baixa por parte da prefeitura de Fortunatti e a Secretaria Municipal de Produção, Indústria e Comércio (SMIC), na época de Valter Nagelstein, foi um golpe duro aos frequentadores do bairro tradicionalmente boêmio de Porto Alegre.

Dentre os bares atingidos, a maior parte são os bares populares. Os que oferecem a cerveja gelada mais barata, os que dispõem da boa música de qualidade ao alcance do ouvido de todos, ou seja: os que faziam bater o coração do bairro reconhecidamente cultural da cidade. Lugares responsáveis pelo sustento de famílias através de seus músicos, trabalhadores e proprietários. Cachorro quente do Élio e Mr. Dam são só alguns exemplos.

Em fevereiro de 2012 foi realizada a 1ª Caminhada Cultural, reunindo músicos, proprietários dos estabelecimento e frequentadores. A vereadora Fernanda Melchionna com o Juntos! coloriu também a caminhada regada à batucadas e canções, todos numa só voz em defesa da cultura.

Para mediar o debate entre moradores, comerciantes, frequentadores e a prefeitura, logo foi criado um Grupo de Trabalho, onde foi discutido o horário limite para funcionamento dos bares e alvarás necessários. Requisitos que o bar e restaurante Bambu’s, aberto há quase 40 anos, afastado da Cidade Baixa, preenchia todos. Mas infelizmente isso não o protegeu da Operação Cultura Zero, orquestrada pela prefeitura em conjunto com a SMIC. Os motivos apresentados só confirmam a higienização social recorrente em Porto Alegre: “aglomeração de pessoas em frente ao estabelecimento, consumo de bebidas fora do local, frequentes brigas e algazarras dos frequentadores”.

O fechamento teve como consequência o #OcupaBambu’s, que reuniu cerca de mil pessoas que circularam em frente ao bar na Av. Independência, mesmo com o local interditado. Dias depois foi permitida a reabertura do bar, com as seguintes exigências: restringir as atividades ao interior do bar, não vender bebidas em copos plásticos e evitar que frequentadores se concentrem na via pública. Caso haja descumprimento, o bar pode voltar a ser fechado. Ainda nessa semana está sendo organizado ato semelhante em frente ao Bar e Cachorro Quente do Elio, famoso pela cerveja barata.  O Juntos estará presente levantando sua bandeira pela reabertura do bar.

 

A decisão acertada dentro do GT, e recém aceito pela audiência realizada no bairro, é a de que os bares devem fechar às 2h nos finais de semana (sextas, sábados e vésperas de feriado) e, não tem a necessidade de alvará específico para comportar a apresentação de música ao vivo até a meia-noite. Foram 250 votos a favor da cultura, contra 2 para o conservadorismo. O decreto, como est,á é uma grande vitória da mobilização popular, como salientou a vereadora Fernanda Melchionna, mesmo ainda tendo muito a avançar. Mesmo dependendo de outros setores em acordo com a prefeitura de José Fortunatti e a SMIC, este horário seria reduzido. Atualmente a SMIC não está mais nas mãos diretas de seu mentor, Valter Nageslstein, e sim sendo dirigida por Omar Ferri Júnior, ambos do PMDB. É mais do mesmo.

A higienização social promovida por esses setores é “necessária” tendo em vista a especulação imobiliária crescente na cidade, visando a Copa de 2014. O Juntos!, na voz de Fernanda Melchionna, repudia a Operação Cultura Zero e defende a Cultura e a Arte em todas as suas formas na cidade. Esse espaço é nosso, legalize a boemia!

Venha participar da Plenária de campanha da Fernanda Melchionna, vereadora de Porto Alegre e também candidata a reeleição nessas eleições. A plenária vai acontecer no próximo sábado no Mr. Dam, espaço simbólico dessa luta contra o fechamento dos bares e da higienização social do bairro Cidade Baixa. Venha debater com a gente a cultura e arte em Porto Alegre. Uma de nossas bandeiras é reabertura desse espaço, que já foi o palco de muitas festas e confraternizações da juventude. Não perca!