Nota de repúdio à ação lesbofóbica na UnB

24/fev/2013, 11h54

Misha Rosa*

Como reflexo e sintoma do que acontece cotidianamente na sociedade, nos deparamos hoje na Universidade de Brasília com um grande levante lesbofóbico se projetando na vida de cada mulher lésbica. O caso de violência sofrida por uma aluna do 5° semestre de Agronomia torna isso explícito. O ato violento ocorreu no dia 18/02 às 17 horas da tarde, mostrando que os lesbofóbicos de plantão não fazem nenhuma questão de se esconder ou fingir alguma tolerância.

Hoje mais do que nunca se faz necessário que lutemos contra essa investida opressora que se materializa ante aos nossos olhos. O movimento estudantil, como tantos outros movimentos sociais, partidos e organizações do país e do mundo, não pode se calar, e a Universidade de Brasília também não. Depois de toda a repercussão do caso na mídia, ainda assim o “nosso” reitor  não se pronunciou, mostrando todo o caráter opressor que representa sua gestão para essa universidade. O silenciamento da reitoria, da sociedade e dos governos só reforça opressões como a lesbofobia, homofobia, transfobia, machismo e racismo. opcao

“Alguns ainda acham que é opção”

 Nós do coletivo Juntos repudiamos toda e qualquer ação lesbofóbica dentro da Universidade de Brasília, assim como em todo lugar.  Exigimos, também, uma posição da reitoria desta universidade, no sentido de dar apoio jurídico e psicológico à agredida,  investigar e punir o agressor, bem como se comprometer com o combate a todo tipo de opressão dentro das suas mediações.

Mexeu com uma, mexeu com todas!

Quem cala, consente!

Fala, reitor! Fora lesbofóbicos da UnB!

 *Misha Rosa é estudante de Sociologia da UnB e militante do Juntos e do Juntas!