Se a tarifa aumentar a cidade vai parar

16/maio/2013, 12h24

No primeiro domingo de Maio a juventude saiu da sala de aula para debater a “escola que queremos!”. A discussão começou com uma mesa que fez falas sobre as principais lutas dos estudantes, entre elas: a pauta da passagem do transporte público. O aumento das passagens em diversas cidades brasileiras leva historicamente, milhares de jovens indignados para as ruas, se mostrando como uma luta de extrema relevância. Estamos enfrentando um processo de catraquização da vida, isto é, cada vez mais temos que pagar para ter acesso aos serviços mais básicos da necessidade humana, como educação, saúde, e transporte. Enquanto a população sofre pagando altas taxas por um ônibus demorado, lotado e lento, as empresas de ônibus enriquecem cada vez mais. Ficou claro que a luta pela escola que queremos este diretamente ligado á luta pela cidade que queremos; com um transporte de péssima qualidade e caro, a ida e vinda da escola se dificulta, qualquer deslocamento que busque o lazer, a cultura, o esporte se torna um desafio, fazendo com que aprender seja uma tarefa ainda mais árdua.

O prefeito Fernando Haddad anunciou o aumento da passagem. Mais uma vez, a máfia dos transportes é colocada como prioridade, e o direito ao acesso a cultura, esporte, lazer da população é negado. A tarifa em si já é a retirada de parte do salário dos trabalhadores, que por sua vez, é colocado na mão de empresários com a autorização do governo; o aumento da passagem é uma política que aumenta essa lógica, transporte é direito, não mercadoria.

tunelO aumento das passagens em diversas cidades brasileiras leva historicamente, milhares de jovens indignados para as ruas, se mostrando como uma luta de extrema relevância. Recentemente, centenas de jovens saíram as ruas em Porto Alegre, e conseguiram barrar o aumento das tarifas. Esse exemplo mostra como essa luta pode realmente ser vitoriosa, e como não podemos ficar parados. Temos o dever de nos opor a essa política que desrespeita nossos direitos e os trata como mercadorias, temos que nos organizar, montar comitês contra o aumento da passagem dentro das escolas, participar ativamente dos grandes atos convocados pelos movimentos sociais e fazer os nossos.

O juntos começa as suas atividades relacionados à luta contra o aumento da passagem com uma intervenção na virada cultural. A partir das 14h, em frente ao teatro municipal, nos reuniremos para organizar uma grande faixa de protesto e, na primeira quinta-feira do mês de junho, dia 6, a partir das 17h iniciará a concentração para o primeiro grande ato contra o aumento. Estaremos lá, fazendo frente contra essa política de transportes que fere nossos direitos! Compareçam! Vamos juntos transformar a realidade!

DIA 18/05 – 14H, EM FRENTE AO TEATRO MUNICIPAL – OFICINA DE INTERVENÇÃO DA VIRADA CULTURAL

DIA 06/06 – 17H – PRIMEIRO GRANDE ATO CONTRA O AUMENTO DAS PASSAGENS

 

SE A TARIFA AUMENTAR, A CIDADE VAI PARAR!!!

JUNTOS! POR UM TRANSPORTE PÚBLICO, GRATUITO E DE QUALIDADE