Se a tarifa aumentar o Rio vai parar!

19/maio/2013, 19h19

Guido Mantega MInistro da Fazenda que antes recomendou o não aumento da passagem para segurar inflação, agora dá luz verde.

Guido Mantega MInistro da Fazenda que antes recomendou o não aumento da passagem para segurar inflação, agora dá luz verde.

Jhuan de Brito*

Fomos surpreendidos mais uma vez, no mês de abril, com a declaração do prefeito Eduardo Paes sobre o aumento da tarifa do transporte público no Rio de Janeiro. Após o governo estadual de Sérgio Cabral ter aumentado, também no mês de abril, a tarifa do metrô e das barcas, Paes corre para fazer os reajustes nas linhas de ônibus, controladas em sua maioria pela FETRANSPOR. Após uma reunião com o Ministro da Fazenda Guido Mantega, na qual discutiu a dívida do município, o prefeito anunciou “era para eu ter feito em janeiro, mas decidi adiar. Se tiver algum reajuste para dar, vou conceder o aumento”. Se se confirmar o aumento, segundo Paes, ele será aplicado já em junho. As tarifas do transporte público são “reajustadas” uma vez ao ano, às vezes duas, num índice superior à inflação, em média, o dobro. No entanto, o serviço continua precário e insuficiente. Lembramos que o aumento no início do ano foi barrado pelas mobilizações realizados ainda no fim de 2012, mas também por um pedido de Mantega, que alegou ter que controlar a inflação nacional e recomendou o não aumento das passagens pelas prefeituras. Parece que agora o sinal verde foi dado.

Surpreendentemente, de acordo com o IBGE, os gastos com transporte vêm aumentando gradativamente — chegam a quase 17% do orçamento familiar. Espera-se que o tal reajuste seja de 10% do valor atual das passagens. Desta forma, passaríamos a pagar R$3,05 ao invés dos já desmedidos R$2,75.

Parece pouco?

Dudu, que não está acostumado a enfrentar o transporte público no dia-a-dia, vai aumentar a tarifa novamente.

Dudu, que não está acostumado a enfrentar o transporte público no dia-a-dia, vai aumentar a tarifa novamente.

Se você é usuário do transporte coletivo (diferentemente do prefeito e dos vereadores) sabe que além do altíssimo preço, que pesa ainda mais para os setores pobres da população, empurrados cada vez mais para as grandes periferias, ainda lidamos com diversos problemas. Os motoristas, por exemplo, são sujeitados a dupla função que, além de ter de controlar verdadeiras latas velhas, são responsáveis também por cobrar os passageiros. Situação que sobrecarrega o piloto e coloca todos em situação de risco. Não faz muito tempo que presenciamos um grave acidente em consequência disto. O fato é que convivemos com isso diariamente ao embarcar nos ônibus.

Além disso, o direito à meia passagem para o estudante é bastante débil. Além de atender um número restrito de usuários, há limitação nos horários e trajetos que podem ser usados, impossibilitando o estudante, por exemplo, de usar o bilhete para se transportar livremente pela cidade no momento e locais que acharem mais pertinentes.

Um dos atos em Porto Alegre que barrou o aumento da passagem.

Um dos atos em Porto Alegre que barrou o aumento da passagem.

Por isso tudo, torna-se inadmissível mais esse desrespeito com a população. Não permitir que o reajuste seja feito é estar ao lado de todos aqueles que usufruem do serviço cotidianamente, seja para ir à escola ou faculdade, ao trabalho ou mesmo para buscar entretenimento na cidade. O sistema de transporte público não pode servir, como o próprio prefeito afirmou, “para desonerar as empresas”. Em outras palavras, esse direito básico do cidadão deve ser prestado pela prefeitura com a melhor qualidade possível e com a desoneração para o usuário e não para o consórcio privado que domina o sistema de transporte da cidade. Não devemos, portanto, deixar de exigir um transporte público eficiente, acessível e universal pelo que temos hoje, desconfortável, precário, inseguro e com tarifas tarifas elevadíssimas.

Então, chamamos todos para que, no dia 20 de maio, segunda-feira, ocupemos as ruas em frente à prefeitura, a fim de barrar o provável aumento e abrir uma discussão pública sobre o transporte público da nossa cidade, assim como a juventude de Porto Alegre fez, conquistando a revogação do aumento da passagem.

20 de maio, segunda-feira, concentração às 16h30 em frente a Prefeitura Municipal do Rio de Janeiro.

*Jhuan de Brito é ingressante na UFRRJ, morador do Rio de Janeiro, usuário do transporte público e militante do Juntos-RJ.