O que é pecado pra algumas não pode ser crime para todas

23/jul/2013, 14h38

*Giulia Tadini

A cidade que recebe o Papa

A cidade do Rio de Janeiro será palco de diversos megaeventos no país. Neste contexto, estamos assistindo como essas atrações (Copas, Olimpíadas e JMJ) servem de desculpa para implementar reformas urbanas, gerenciadas pela especulação imobiliária. São milhões de reais tirados dos cofres públicos para garantir os lucros das corporações imobiliárias e empreiteiras. Como mecanismo para garantir a ordem, os direitos humanos são ignorados. O que vemos são milhares de famílias sendo removidas de suas casas e ocupações militares em favelas.

Enquanto nos preparamos para visita ao Papa Francisco, os governos federal, estadual e municipal do Rio de Janeiro, desembolsaram 118 milhões de reais para a realização da Jornada Mundial da Juventude (JMJ). Enquanto todos se perguntam onde está Amarildo Parentes (pedreiro que desapareceu na Rocinha), a Polícia Militar do Rio de Janeiro irá ocupar quatro favelas na região de Guaratiba (Rola, Aço, Cesarão e Antares), na zona oeste da capital fluminense, onde ocorrerá a vigília dos jovens e a missa de encerramento. Ontem, infelizmente, vimos novamente cenas de guerra durante a recepção do Papa. Um protesto foi duramente reprimido pelas forças de Sérgio Cabral. Esses não são casos isolados, o governo Cabral militariza o Rio de Janeiro reprimindo a população mais pobre e os movimentos sociais para garantir um projeto de cidade privatizada.

O que é considerado pecado para uns, não pode restringir o direito de todas!

Em meio a tantas manchetes sobre a vinda do Papa ao Brasil e o nascimento do futuro herdeiro do trono inglês, uma notícia me saltou aos olhos: “Uso da pílula do dia seguinte é aprovado por 82% dos católicos jovens, diz Ibope”, em uma notícia da Folha (http://bit.ly/12Ysgpu). Além disso, “o uso da pílula do dia seguinte, para evitar gravidez, é aprovado por 82% dos católicos jovens. A criminalização do aborto é condenada por 62% dos fiéis entre 16 e 29 anos. Já a união entre pessoas do mesmo sexo é apoiada por 56% dos católicos com menos de 30 anos”. Em tempos de Jornada Mundial da Juventude no Brasil, essas afirmações trazem diversos questionamentos.

Enquanto lutamos pelo arquivamento do estatuto do nascituro, serão distribuídas dois milhões de exemplares do “Manual da Bioética para Jovens” pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), no qual métodos contraceptivos como DIU, pílulas anticoncepcionais e do dia seguinte são considerados métodos abortivos. O manual não fala sobre prevenção da gravidez e de doenças sexualmente transmissíveis.

Mas o mais surpreendente disso tudo é que os jovens católicos, o público alvo da Jornada Mundial, ao que diz a pesquisa, não concorda com diversos posicionamentos da cúpula da igreja. E provavelmente, os jovens evangélicos talvez também não concordem com os posicionamentos de Bolsonaros, Felicianos e afins.

Quando criticávamos o Feliciano, e ainda criticamos, sempre pontuamos que nossa luta não é contra os religiosos, mas contra os fundamentalistas que se utilizam da religião para expressar o que há de mais conservador na nossa sociedade. E esse setor se organiza politicamente, faz parte da base do governo Dilma, e ameaça da laicidade do Estado brasileiro. Não à toa, no último dia 17, a ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, recebeu lideranças religiosas (incluindo Marcos Feliciano e representantes da CNBB), que querem que a Presidenta Dilma vete parcialmente o projeto de lei que obriga hospitais ligados ao Sistema Único de Saúde (SUS) a atender mulheres vítimas de violência sexual. E pior, depois desta visita, o governo estuda vetar de fato alguns pontos do projeto.

Pela constituição brasileira vivemos em um estado laico. Isso significa que temos direito à liberdade regiliosa (compreendendo 3 aspectos: o direito de ter uma religião ou crença; o direito de mudar de religião; e o direito de não ter qualquer religião). Mas também que nenhuma crença ou religião podem ser guias das políticas públicas dos governos. Isto porque o que é considerado pecado por alguns, não pode criminalizar, ou restringir direitos das mulheres, LGBTs e da população em geral.

Nós mulheres, que ocupamos as ruas nas jornadas de junho, continuaremos nelas até que nossos direitos estejam assegurados. Não iremos admitir que nossas pautas mais uma vez sirvam de moeda de troca do governo Dilma com a bancada fundamentalista em nome de uma suposta “governabilidade”. No próximo dia 27/07, às 14h, no posto 5, ocorrerá a Marcha das Vadias do Rio. Nós do Juntas! estaremos lá lutando pelo direito das mulheres, contra o estatuto do nascituro e pela laicidade do estado!

*Giulia Tadini é militante do Juntas!