Em Recife, a resposta veio das ruas!

23/ago/2013, 10h15

Nessa quarta-feira estudantes e trabalhadores voltaram a ocupar mais uma vez as ruas do Recife pra exigir a CPI dos Transportes e pelo Passe Livre.

Dessa vez a indignação do povo aumentou, pois na última terça-feira (13/08) iria ocorrer na câmara a votação para a abertura da CPI, tendo em vista que o presidente da ‘casa’, Vicente André Gomes (PSB) prometeu, durante a ocupação, que iria colocar a abertura da CPI para votação em pleno em troca da desocupação da câmara, nós aceitamos e desocupamos, cientes de que tinha sido uma pauta, aparentemente, vitoriosa, porque com a votação nós saberíamos quem são os vereadores que têm rabo-preso com empresários, e com a abertura da CPI ficaria claro para população o quanto a máfia dos transportes da Grande Recife lucra através da exploração de um direito do povo. Porém, o povo recifense foi impedido de entrar na própria casa, o presidente, manipulado pelo ditador Eduardo Campos e pressionado pela grande máfia que controla os transportes, retirou a palavra e traiu a todos. A CPI não entrou em votação e nós não passamos do portão do estacionamento da nossa própria casa. Estranho? Pois é essa a política que comanda o estado, sem diálogo com o movimento das ruas.

A indignação aumentou, estudantes e trabalhadores protestaram, mais uma vez a polícia de Eduardo Campos reprimiu, e dessa vez com mais intensidade e arbitrariedade que o ‘normal’, a ponto de ter estudante saindo com tiro de bala de borracha na testa.

Mas a luta não acabou, o passe livre pra estudante e trabalhador desempregado vai ter que ser aprovado, a CPI dos Transportes terá de ser aberta. E se não vier agora, vai ter que chegar um dia, pois transporte é um direito, não basta ser coletivo, tem de ser público de verdade e dele nós não abriremos mão.

O barulho que ecoa nas ruas do Recife não mente: “Eduardo nos reprimiu e quer ser presidente do Brasil”

Por isso seguiremos Juntos! por transporte público de qualidade e pelo passe livre de fato, não aceitaremos pela metade, queremos inteiro.

Vem aí...

Acampamento Internacional das Juventudes em Luta: Rio de Janeiro, abril de 2017