NÃO PASSARÃO: militares expulsam comerciantes da Rodoviária com cassetetes e gás pimenta

23/set/2013, 14h56

* por Tony Gigliotti Bezerra

Esta é uma denúncia de violação dos direitos humanos que ocorreu no dia 19 de agosto de 2013, aproximadamente às 19 horas, na Rodoviária do Plano Piloto, no centro de Brasília. Vendedores ambulantes de frutas foram violentamente expulsos da rodoviária pela polícia militar. Eu comecei a filmar logo depois que os policiais avançaram contra os comerciantes, destruindo os alimentos e apreendendo os pertences pessoais dos vendedores. Um policial saiu correndo atrás de um dos vendedores, que conseguiu fugir em direção ao Conic.

rodo frutas2A ação repressiva da polícia deixou um rastro de revolta e destruição. As frutas, espalhadas pelo chão, eram recolhidas por funcionários da Agefiz, Agência de Fiscalização do Distrito Federal. A mesma agência que se nega a intervir no Lago Sul, onde os ricos e poderosos invadem e destroem as áreas de preservação permanentes às margens do Lago Paranoá para construir as suas mansões. Não há vontade política para combater aquelas invasões, feitas para a elite passear com suas lanchas no lago. Mas sobra vontade política para coibir e violentar pequenos comerciantes, que encontraram na venda de frutas na rodoviária a sua única alternativa de sobrevivência. São cenas de uma guerra civil, sentida e enfrentada cotidianamente. Uma guerra de ricos contra pobres, de poderosos contra despossuídos, de exploradores contra explorados.

No início do sétimo minuto do vídeo, um policial agride gratuitamente uma mulher que com spray pimenta. Estávamos realizando uma panfletagem na rodoviária, quando um funcionário do local me abordou e disse que era proibido distribuir papéis na rodoviária, por ordem do Sr. Viana.

rodo frutasAo final da filmagem, um cidadão veio até mim e apresentou uma denúncia contra o Severiano Rodrigues, que é o administrador da rodoviária. De acordo com o relato, o Sr. Viana, como é conhecido, é um policial militar reformado, que circula armado pela rodoviária. Ele teria sido indicado para o cargo pelo deputado Chico Vigilante, do PT. Esta informação é confirmada pela notícia publicada na página do deputado na internet (http://www.chicovigilante.com.br/novo/noticias/?id=507). O denunciante afirmou que o Sr. Viana recebeu propina de R$ 200 mil dos empresários instalados na rodoviária. Em troca, o administrador teria oferecido repressão total aos vendedores ambulantes, que seriam expulsos e deixariam de concorrer com os logistas já instalados. Essas denúncias precisam ser apuradas e, se comprovadas, o Sr. Viana deve ser exonerado do cargo.

O episódio mostrado no vídeo é um exemplo de truculência que tem se tornado rotina entre os policiais militares. Para fazer frente a esta situação, os movimentos populares estão organizando, em todo Brasil, Comitês pela Desmilitarização da Polícia e da Política. Um dos objetivos é elaborar um dossiê que reúna denúncias e provas dos excessos e abusos policiais.

O vídeo será encaminhado ao Ministério Público, para denúncia e responsabilização dos policiais militares e funcionários da rodoviária e da Agefiz envolvidos na operação.

*Tony é militante do Juntos! no Distrito Federal

Vem aí...

Acampamento Internacional das Juventudes em Luta: Rio de Janeiro, abril de 2017