Somos todos petroleiros: entrevista com petroleiro em greve

19/out/2013, 12h31

O Juntos entrevistou Marcos Rocha, jovem petroleiro em Mossoró, no Rio Grande do Norte.

Juntos: Como anda a adesão da categoria?

Marcos Rocha: O que posso dizer é que a adesão na área onde trabalho foi bastante forte. Quase ninguém trabalhou. A grande maioria das pessoas é contra o Leilão, por entender que a Petrobras deveria ser a única a explorar o campo de Libra, devido ao baixíssimo risco exploratório, pensamos que não faz qualquer sentido leiloar, já que o leilão existe justamente pra reduzir os riscos de exploração. E devido aos volumes de óleo envolvidos, esse campo assume um papel estratégico para o país.

greve_petroleiros_sexta Juntos: E qual a visão sobre o Campo de Libra?

Marcos Rocha: É certeza que encontraremos uma quantia gigante de óleo. O que estamos fazendo basicamente é entregar a preço de banana, já que o bônus pago inicialmente não faz nem cosquinha nos lucros que as empresas estrangeiras vão obter explorando as nossas riquezas. As pessoas entendem isso em sua maioria.

Juntos: O Nordeste está na linha de frente da greve?

Marcos Rocha: Com relação ao Nordeste, onde trabalho, há uma especial indignação devido ao fato de a empresa estar retirando investimentos daqui para o Sudeste. As pessoas estão sendo transferidas daqui sem reposição. O trabalho aqui está cada vez mais terceirizado e sem previsão de reposição. Desalentador. A greve aqui atingiu um número muito alto de pessoas também por causa disso. As últimas medidas de mobilização do pessoal do Nordeste pro Sudeste tem desagradado muito.

Vem aí...

Acampamento Internacional das Juventudes em Luta: Rio de Janeiro, abril de 2017