“Chega de Fiu-Fiu: feminismo em debate” na Calourada UFU

19/nov/2013, 12h09

*Samara Castro

Quem nunca estava andando na rua e foi surpreendida por uma cantada. Desde o “básico” do “Oh lá em casa “ou “Gostosa “, até frases como “Te chupava toda” ou mesmo um Fiu-Fiu?!

Na realidade por muitas vezes ignoramos, levamos na brincadeira ou nem chegamos a ouvir porque já prevendo esses episódios nossos fones de ouvido estão tocando a música no último volume.

Segundo a OIT (Organização Internacional do Trabalho) em todo o mundo, 52% das mulheres economicamente ativas já sofreram assédio sexual tanto em espaços públicos como no ambiente de trabalho, estudo ou lazer.

E as coisas ficam ainda mais estranhas quando essa invasão da individualidade das mulheres é chamada de elogio!

Porque é claro que todas as mulheres adoram terem que trocar de roupa para usarem o transporte público com o mínimo de segurança. Acham super divertido atravessar a rua ou mudar o trajeto sempre que avistam uma construção ou um aglomerado de homens. Ah e o melhor, a cerejinha do bolo é a diversão de ser xingada de “Baranga”, “Mal Comida”, “Metida” e “Gorda” porque não aceitamos que tal carinha nos agarrasse.

Mas não se esqueçam, são apenas elogios e elevam a auto estima feminina!

Nos últimos meses, uma pesquisa chamou a atenção nas redes sociais demonstrando que a maioria das mulheres não aprovam a forma de abordagem masculina nas ruas.

A campanha Chega de Fiu Fiu, defende o direito da mulher se sentir segura, e não ofendida, enquanto se encontra no espaço público. O objetivo da campanha é conscientizar a população de que o assédio sexual e a submissão feminina estão presentes em muitos comportamentos considerados naturais e culturais.

A campanha contra o assédio sexual em espaços públicos “Chega de Fiu-Fiu” foi uma idéia de Juliana de Faria e Karin Hueck para mostrar que as mulheres estão fartas do assédio sexual nas ruas. Elas criaram uma pesquisa online no site Think Olga em agosto de 2013, da qual participaram quase 8 mil mulheres.

Os resultados da pesquisa mostram claramente como o assédio constante limita o uso das mulheres do espaço das cidades de maneira igualitária e segura, bem como a quantidade de mulheres que não se sentem confortáveis ou felizes com as cantadas masculinas.

Além disso a pesquisa mostra que 83% das mulheres não gostam de ser assediadas e que 81% já deixaram de fazer algo com medo do assédio! Esses dados são alarmantes pois tendem a naturalizar o assédio sexual e a violência contra a mulher.

O coletivo Juntas entendendo a importância do debate e a grande contribuição da pesquisa para a desnaturalização do assédio enfrentado pelas mulheres, convidou a criadora da campanha Juliana de Faria para uma de nossas atividades que será realizada em Uberlândia.

Juliana de Faria como ela mesmo se define no seu site, “especializou-se em moda em Londres e trabalhou em publicações como Elle Brasil e Harper’s Bazaar. Com o tempo, descobriu que gostava mais de falar sobre a mulher que veste a roupa do que sobre a roupa que veste a mulher.”

O encontro acontecerá nesta quinta-feira, 21 de novembro, a partir das 17h30min no anfiteatro A do Bloco 5R da Universidade Federal de Uberlândia. A entrada é livre.

*Samara Castro é estudante de Direito da UFU do Juntas e da Setorial de Mulheres da FENED.

Links:

Site da Campanha Chega de Fiu-Fiu 

Resultados da pesquisa

Depoimentos