Lugar de mulher é na Câmara e onde ela quiser!

06/dez/2013, 17h12

 *Bárbara Mendes  e  Juliana Gorayeb

Ainda que pareça impossível, há os que insistem em negligenciar o grito de emancipação que vem tomando força em nosso país. Adiantamos aos surdos que “Se não nos deixam sonhar, não os deixaremos dormir”. Parece que o mês de junho e as lições que deixou vêm sendo esquecidas por seguidores do legado de Marco Feliciano. Em Montes Claros, dentro do Legislativo, um desses arrogantes tem estado em evidência. Tudo porque a presença de uma militante de um movimento chamado Ocupa Câmara, que acompanha as deliberações deste órgão de perto, incomodou-o. Era uma sessão ordinária, e a militante, junto com seus companheiros, reivindicava que sua voz, voz de povo que sabe de seus direitos, fosse ouvida. Em resposta, numa atitude de violência diante das câmeras, de machismo declarado, o arrogante em questão, vereador Pastor Altemar, trouxe ainda mais indignação por esfregar nos narizes de quem luta por igualdade que sua ignorância supostamente nos “representa”.

Durante o intervalo, foi pedido a Altemar opinião acerca das manifestações que foram feitas na ocasião. Em entrevista à Tv Câmara, o pastor demonstrou total descontrole e incômodo com a constante presença de militantes e manifestantes nas reuniões. Altemar referia-se, numa postura extremamente preconceituosa, a Iara Pimentel, exemplo de militante aguerrida que luta em prol de uma cidade melhor para todos. É vergonhoso ter em sua cidade, comorepresentante da população, um ser machista que não tem o mínimo de respeito com a porção feminina deste mesmo povo que o elegeu. Refiro-me a TODA uma porção feminina sim, já que foi um ato de violência contra todo o gênero!

Na entrevista, o Pastor usou frases como “se eu pudesse, eu mesmo dava um coro nela”, “vem pra cá porque quer arranjar um marido”, “eu vomito ela.”. Ter como representante alguém deste nível só mostra como a política montes-clarense está em péssimas mãos. Vivemos em uma sociedade patriarcal onde não se aceita mulher na política. Não se aceita mulher militante. Quando algumas poucas ousam ingressar neste mundo ainda visto como masculino, têm duas opções: ou viram figurantes, cedendo aos interesses da maioria, ou tornam-se protagonistas e sofrem repressões. Viram alvos de pessoas totalmente machistas e arcaicas, sem nenhum preparo para REPRESENTAR, de fato, uma população, como exemplo maior o Vereador Pastor Altemar.

Ao vereador, o Juntos! Montes Claros GRITA que lugar de mulher é na rua, na câmara, em casa, nas escolas, nas faculdades, nas prefeituras, ONDE ELA QUISER! Que mulher consciente, crítica, ciente de suas concepções, sabe que é senhora de seus direitos, que pode e DEVE reivindicar que uma Câmara cheia de amarras ouça sua indignação, que se sobrepõe e, se depender do apoio do Juntos! Montes Claros, sempre se sobreporá à postura asquerosa de vereadores como o Pastor Altemar. O MACHISMO NÃO NOS REPRESENTA, seja na Câmara de Montes Claros ou em qualquer lugar deste planeta!

Segundo José Martí, ”Nada causa mais horror a ordem que mulheres que lutam e sonham”. Então, garantiremos horror à Câmara de Montes Claros até o dia em que nossas vozes puderem gritar, até o dia em que nossas pernas puderem nos aguentar e nossos sonhos persistirem!

http://www.youtube.com/watch?v=oWfIhSZA69k&feature=youtu.be&hd=1

 

*Bárbara Mendes é estudante de Direito na Faculdade Pitágoras, Juliana Gorayeb é estudante de Direito na Faculdade Santo Agostinho, militantes do Juntos! Montes Claros.