Começou a copa das manifestações 2014

31/jan/2014, 14h07

A heroica greve dos rodoviários de Porto Alegre marca a situação política nacional. A cidade que antecipou a vitória contra o aumento da tarifa, no ano de 2013, agora mostra ao país a força da categoria mobilizada. O novo Brasil que emergiu depois das Jornadas de Junho não aceita mais as manipulações da grande imprensa, dos governos e dos patrões. A unidade entre o Bloco de Lutas e os rodoviários em greve é um sinal do que pode vir pela frente. A unidade operária-juvenil é uma conquista desta nova realidade. E se espalha por todo o país.

catracaço

Catracaço na Central do Brasil em protesto contra o anúncio de novo aumento da tarifa de ônibus pelo prefeito Eduardo Paes (PMDB)

 

Mobilizações se espalham por todo o país e o desejo por conquistar mais direitos mostra que a disposição de luta de junho não se fechou e que os governos, não atendendo às reivindicações das ruas, se chocarão mais e mais com a juventude, os trabalhadores e o povo mobilizados. O pânico que os simples “rolezinhos” causaram nas classes dominantes também avança nessa direção.

Este é o janeiro mais quente em muitos anos. E não apenas nas suas altas temperaturas. As mobilizações por moradia, por direitos e contra os abusos policiais se multiplicaram nos primeiros dias de 2014. A marcha do sábado dia 25 deixou a burguesia assustada. O atentado contra a vida do jovem Fabrício, por parte da polícia de São Paulo mostrou o descontrole e até onde as forças repressivas estão dispostas a ir para evitar que novos junhos se antecipem.

Como parte desse cenário, o prefeito Eduardo Paes desafia a conquista do congelamento das tarifas, autorizando o aumento da passagem de ônibus na cidade do Rio de Janeiro. A primeira resposta foram atos espontâneos, com usuários, ativistas e populares pulando as catracas da Central do Brasil.

O Brasil já não é mais o mesmo. Para desespero dos de cima, o povo brasileiro “tomou gosto” pelas ruas. O caminho das mobilizações é o caminho para conquistas. Os “de cima” vão utilizar muita repressão para garantir seus lucros.

repressão
Queremos mais. Começou, de fato, a copa das manifestações 2014. Se na copa da Fifa o povo está no banco de reservas, nas ruas o povo está entrando em campo com força e confiança para vencer. Queremos saúde e educação Padrão Fifa. Queremos transporte barato, acessível e com qualidade. Queremos salários para os trabalhadores. Queremos o fim da corrupção dos governantes. Queremos uma ampla reforma do sistema prisional para não se repetir a realidade de Pedrinhas e outros presídios. Queremos a desmilitarização da PM. Queremos isso e muito mais.

Comunicado do Juntos – Brasil, 31 de janeiro de 2014

Vem aí...

Acampamento Internacional das Juventudes em Luta: Rio de Janeiro, abril de 2017