Quem são essas Torcidas Organizadas?

20/jan/2014, 16h32

*Bruno dos Santos

Com o início dos campeonatos estaduais os debates sobre futebol retomam a cena do cotidiano dos brasileiros e brasileiras. Uma pauta que frequentemente aparece, seja na mídia, seja nas conversas de bar é o papel das torcidas organizadas no cenário da bola. O tom da imprensa costuma ser único: torcidas organizadas são redutos de vândalos e arruaceiros. Apenas as brigas e confusões são mostradas, porque reforçam o senso comum. Porém, é necessário abordar outro viés, um que dê conta da realidade desses espaços e que desconstrua o projeto de “futebol moderno”.

Um pouco de história é importante para reforçar o que se pretende desenvolver nesse texto. Durante a ditadura militar, a Gaviões da Fiel, que hoje é tida como uma organização criminosa por grande parte da mídia, uniu-se aos jogadores do Corinthians para lutar contra o regime. A mídia não reporta esse histórico. Não reporta que Os Gaviões da Fiel abrigam em sua sede oficial projetos sociais que beneficiam torcedores corintianos e também moradores da comunidade onde se localiza.

Surpreendente né?

As Torcidas Organizadas não “funcionam” apenas nos dias de jogos, projetos sociais, confraternizações e lutas politicas por melhorias em suas comunidades movimentam o dia dessas organizações.

Porém, o cenário que é apresentado é apenas o de violência. O que não se comenta é que muitas das confusões que acontecem na praça esportiva tem envolvimento decisivo dos que deveriam nos proteger. A polícia, diversas vezes, é incentivadora das arruaças, visando acusar os torcedores de terem começado com a confusão. Hoje já se vê grupos que defendem a exclusão da Policia Militar dos estádios, o que tem sua razão, até porque há um deslocamento do efetivo para os estádios e as ruas ficam com um numero reduzido dos “defensores da comunidade”, contrapartida, se exclui-los corremos o risco de presenciar mais tragédias como as que assistimos na ultima rodada do Campeonato Brasileiro de 2013, na partida entre Atlético-PR x Vasco da Gama, na Arena Joinville, em Santa Catarina.

Como citado no inicio desse texto, muitas pessoas rotulam os membros das “T.O’s” de vândalos, arruaceiros e marginais, porém se esquecem de procurar saber quem são essas pessoas, pois bem, prepare-se para uma revelação que os chocará, dentro das Torcidas existem pais de família, trabalhadores, empresários, estudantes, mulheres, pessoas.

As Torcidas Organizadas não são os monstros que a mídia e os cartolas fazem com que acreditamos ser, mas infelizmente algumas atitudes colaboram para que essa má imagem seja explorada e por consequência o Ministério Público possa interferir e em certos momentos piorar ainda mais a situação das Torcidas.

O que realmente fazer para que as lindas festas sejam mantidas e organizadas por esses torcedores é complicado de apontar, mas o inicio quem sabe poderia ser o de montar um Estatuto do Torcedor que realmente seja voltado para os torcedores e não para os que comandam o futebol com a tentativa de modernizar e transformar os nossos estádios em “teatros”, onde só poderá se assistir os jogos sentados e não poderá falar para não tirar a concentração dos jogadores.

Vamos Juntos contra a modernização do futebol, contra a violência nos estádios e contra essa mídia manipuladora!

*Bruno dos Santos é do Juntos! Pelotas-RS e integrante da Torcida Máfia Xavante