Isso aqui vai virar Porto Alegre!

07/fev/2014, 16h17

*Felipe Aveiro

O início de fevereiro veio para mostrar que teremos um mês tão quente quanto o último e a “Copa das Manifestações” ganhou mais um capítulo na tarde de ontem (6) no Centro do Rio de Janeiro.

O ato contra o aumento das passagens na cidade, primeiro marcado após o anúncio do prefeito Eduardo Paes de aumento das tarifas dos ônibus de R$2,75 para R$3 amanhã (8), reuniu mais de 1000 ativistas que começaram a se concentrar na Candelária por volta das 17h, seguindo depois pela Avenida Presidente Vargas, alterando o trajeto incial que seria até a Cinelândia, rota que se tornou comum em junho de 2013.

E assim como em 2013, os protestos não são apenas pelos “25 centavos”, e sim por uma gama de direitos que são negados cotidianamente à grande parte da população carioca, e que qualquer estudante ou trabalhador que ande de trem, ônibus ou barca está familiarizado. Um dos convocadores do ato foi o Movimento Passe Livre que começou a se articular na cidade após as manifestações do ano passado fazendo da tarifa zero nos transportes públicos do município uma das principais demandas do povo na rua.

Como não poderia deixar de acontecer, outras pautas foram aparecendo como palavras de ordem contra a Fifa, demonstrando o descontentamento popular com os gastos excessivos com a Copa do Mundo, em detrimento dos investimentos necessários em Saúde e Educação, por exemplo; e pela desmilitarização da polícia, pauta que ganhou enorme força após a repressão desproporcional no ano passado.

A coluna amarela do Juntos! esteve presente contribuindo com a agitação e trazendo uma faixa em apoio à histórica greve dos rodoviários de Porto Alegre, que já dura 12 dias na capital gaúcha, e conta com dezenas de nossos ativistas apoiando os trabalhadores nos piquetes.

Roletaço

Chegando à Central do Brasil, alguns manifestantes repetiram o ato simbólico realizado no último dia 30, pulando as roletas da estação, o que estimulou centenas de passageiros a fazerem o mesmo. A multidão tomou conta da estação com suas bandeiras e cartazes por vários minutos.

Houve confusão no final do ato com a ação truculenta do batalhão de choque que jogou bombas de efeito moral para tentar dispersar os manifestantes. Funcionários da Supervia tentaram fechar as portas da Central com centenas de pessoas ainda dentro mas foram impedidos por manifestantes que seguraram as portas, permitindo que ativistas saíssem de lá.Um cinegrafista ficou gravemente ferido após ser atingido por uma bomba na cabeça. Não se sabe ao certo a autoria do ataque, embora um jornalista da Globo News ter afirmado na cobertura que tenha sido a polícia.

Amanhã é a data anunciada pelo prefeito para o aumento absurdo para um serviço péssimo que nos é oferecido. Ao que tudo indica os cariocas não aceitarão mais esse descaso e lutarão contra o aumento das passagens, rumo à tarifa zero. Na próxima quinta-feira o ato será ainda maior com a certeza de que a coragem dos companheiros de Porto Alegre já nos contagiou.

#somostodosrodoviarios

#acoragemcontagia

#tarifazero

*Felipe Aveiro é jornalista e militante do Juntos RJ