Sem reforma agrária e com polícia

13/fev/2014, 08h55

Nesta quarta-feira, em Brasília, 15 mil manifestantes do Movimento Sem Terra (MST) marcharam pela reforma agrária, a manifestação além de pedir a reconfiguração da distribuição de terras no país, também pautou o repúdio ao imperialismo Norte Americano e ao uso de agrotóxicos nas plantações, principalmente Monsanto.

O protesto aconteceu durante o 6° Congresso Nacional do MST, que acontece entre os dias 10 e 14 de fevereiro, e onde temas como o desafio da classe trabalhadora brasileira, a participação das mulheres na construção de mudanças e a construção de um reforma agrária popular estão sendo debatidos.

O ato, que saiu do Ginásio Nilson Nelson, seguiu de forma pacífica e extremamente organizada, passou pela Embaixada dos EUA e pela Esplanada dos Ministérios até chegar à Praça dos Três Poderes. No desenrolar da concentração dos manifestantes nesse local, a polícia não quis permitir que se fossem colocadas cruzes para representar o assassinato de trabalhadores do campo. Nesse momento, a PM comandada pelo Governador Agnelo Queiroz (PT-DF), agiu com extremo despreparo lançando bombas de gás lacrimogênio para dispersar os manifestantes, que agiam de forma pacífica.