Diretoria da UNESP Rio Claro ocupada! Todo apoio à luta do movimento estudantil em SP!

28/mar/2014, 12h32

*Natália Torres

No dia 27 de março, os estudantes da Moradia Estudantil da UNESP campus de Rio Claro deliberaram em assembleia extraordinária a ocupação do prédio da Diretoria do Instituto de Biociências da universidade. O motivo é a indignação diante da ausência de estrutura e amparo aos estudantes que necessitam da moradia ou de uma fonte de renda para se manterem no ensino superior.

Mais de 30 alunos são obrigados a dormir no chão da atual unidade da Moradia Estudantil pois a universidade não garante o direito à moradia e a ampliação de sua estrutura para atender seus estudantes. Além disso, piorando a situação dos alunos de baixa renda, a universidade tem tornado cada vez mais burocrático e seletivo o processo de fornecimento de bolsas de Auxílio Estudantil, de Moradia e de Extensão, as principais formas que os estudantes encontram para produzir conhecimento acadêmico, se formarem e, ao mesmo tempo, terem uma forma de sobreviver durante os estudos.

Os estudantes da Moradia Estudantil da UNESP Rio Claro exigem:

– Inclusão no plano de obras do campus de um novo bloco na Moradia Estudantil, com acessibilidade plena e que as obras tenham início no máximo no segundo semestre deste ano (2014);

– Revogação do processo seletivo da BAAE I do IB e do IGCE, e constituição de uma nova comissão para a elaboração de um novo processo seletivo dessas bolsas. Proposta para a composição da nova comissão. Dois estudantes que não concorrem as bolsas (indicados pelos estudantes da Moradia Estudantil); o vice-diretor e a assistente social devem auxiliar nesse trabalho. Instituição desse modelo de comissão para cada Instituto;

– Efetivação das bolsas emergenciais. Que essas bolsas tenham o mesmo período de duração das bolsas efetivas (12 meses), assim sendo fixadas até o ano seguinte;

– Revogação da Resolução nº 21 de 27 de fevereiro de 2014, que estabelece um processo com critérios que apelam à meritocracia para concessão das bolsas de Extensão Universitária.

O caso da UNESP Rio Claro é o mesmo de outras universidades estaduais paulistas, que enfrentam a crescente perda de direitos estudantis, de auxílio a permanência na universidade e a produção de conhecimento. A tônica da política educacional do governo do estado de São Paulo é a mesma na USP, na UNICAMP e na UNESP: caminhar para um ensino cada vez mais privatizado, meritocrático, técnico e pouco crítico. Ao tornar mais difícil o acesso dos estudantes de baixa renda aos seus direitos, instaura-se uma preocupante contradição: a universidade PÚBLICA torna-se mais e mais ELITISTA.

A diretoria do IB e da UNESP não se mostrou disposta a dialogar com os estudantes e chegou a ameaçar, logo no primeiro dia e antes de qualquer negociação, a reintegração de posse pela Polícia.

Mas os estudantes que conseguiram barrar o PIMESP agora conseguirão conquistar a garantia de seus direitos! O Juntos! apoia a luta dos estudantes da UNESP Rio Claro e está presente na construção do movimento estudantil na cidade.

*Natália Torres é estudante de geografia da UNESP Rio Claro e militante do Juntos!