Liberdade para líder indígena preso em Amazonas

05/mar/2014, 16h31

No dia 28 de fevereiro de 2014, sexta-feira, Paulo Apurinã foi preso em cumprimento a um Mandado de Prisão expedido pela 8ª Vara Criminal de Manaus, capital do Estado do Amazonas, por ordem do juiz Carlos Zamith O. Júnior. Passados 06 (seis) dias, não se tem conhecimento de qual crime ele estaria sendo acusado. Os blogs estão noticiando que ele estaria sendo preso por calúnia contra um ex-deputado estadual que é hoje empresário dos meios de comunicação local. Foi cumprido ainda um Mandado de Busca e Apreensão que, dentre outros objetos, apreenderam seu notebook.

Paulo Apurinã é uma das principais lideranças do Tarumã, bairro indígena da periferia de Manaus/AM, e ativista do movimento Aldeia Maracanã contra a destruição do Museu do Índio no Rio de Janeiro por conta das obras da Copa do Mundo. Militante ativo do movimento de moradia, é membro eleito do Conselho Estadual das Cidades do Amazonas.

Estranhamente, no mesmo dia de sua prisão, ainda pela manhã, Paulo Apurinã postou em sua conta no YouTube um vídeo em que há fortes denúncias de pedofilia contra políticos e um magistrado que teriam envolvimento com os crimes praticados pelo ex prefeito de Coari/AM que encontra-se atualmente preso acusado de exploração sexual de crianças e adolescentes, fato que foi divulgado a nível nacional. Perguntas que neste momento não calam:

– Por que Paulo Apurinã está preso?
– A quem interessa a prisão de Paulo Apurinã?
– Quem tem medo de Paulo Apurinã livre?

Somos convocados neste momento a gritar #LiberdadeApurinã!

Vem aí...

Acampamento Internacional das Juventudes em Luta: Rio de Janeiro, abril de 2017