Se lutar é crime somos todos réus confessos

14/mar/2014, 17h22

Temos insistido na questão de que as grandes Jornadas de Junho de 2013 colocaram demandas e exigiram respostas dos governantes que não foram dadas. A única resposta que a burguesia brasileira, seus governos, partidos e a grande mídia dão é a tentativa de criminalização dos movimentos sociais. Isto apareceu de forma clara no malabarismo realizado pela Rede Globo de tentar vincular o trágico acidente que resultou na morte do jornalista Santiago com Marcelo Freixo e o PSOL. Algo que rapidamente foi derrotado pelo amplo apoio e a confessa #LigaçãoComFreixo daqueles que estiveram nas ruas desde a Primavera Carioca até o levante juvenil e popular de junho.

Nós do JUNTOS! sempre insistimos que o método da mobilização de massas é o que pode de fato construir as grandes transformações e impor derrotas aos capitalistas e seus governos de plantão, como ficou expresso nas Jornadas de Junho de 2013. Uma mistura de espontaneísmo e equívocos de setores vinculados às táticas Black Block, ao final do levante, favoreceu ainda que inconscientemente a tentativa de criminalização operada pela burguesia.

Agora, justamente pelo peso que tivemos na construção das mobilizações é que, na iminência da Copa de 2014, mais uma vez tentam golpear criminalmente em Porto Alegre aqueles que foram os organizadores dos princípios do que aconteceu no ano de 2013. Em uma articulação entre a sucursal da Rede Globo no RS (RBS), o governo Tarso e sua polícia e a prefeitura municipal da direita já haviam invadido a casa de militantes e agora indiciam absurdamente vários companheiros entre os quais Lucas Maróstica, que é do nosso coletivo, por formação de milícia privada. Enquanto isso os verdadeiros criminosos seguem no poder e impunes.

Precisamos imediatamente organizar uma grande campanha nacional de solidariedade e contra a criminalização dos nossos companheiros e a Lei Antiterrorismo Não aceitaremos esta tentativa de criminalização política. Poderão tentar impor a famigerada Lei Antiterrorismo, que deveria ser chamada de lei Anti-mobilizações: não passarão! Poderão tentar caluniar os grandes lutadores que ajudaram a impulsionar as Jornadas de Junho como criminosos: não passarão! Poderão sonhar com a possibilidade de sairmos das ruas, mas devem se preparar para a insônia ou para os seus piores pesadelos, porque das ruas não sairemos!

Vem aí...

Acampamento Internacional das Juventudes em Luta: Rio de Janeiro, abril de 2017