Porque se ser livre é ser vadia, somos todas vadias!

28/abr/2014, 20h57

* Fabiana Lontra

juntasredencao

Na tarde do dia 27 de Abril ocorreu em Porto Alegre a Marcha das Vadias de 2014. Milhares de pessoas marcharam até a Delegacia da Mulher para denunciar a inoperância das políticas públicas para as mulheres, além de reiterar as pautas tradicionais da Marcha, como o direito ao corpo e a liberdade de escolha de roupa.

marchadasvadias4marchadasvadias3

A Marcha das Vadias, ato feminista de maior importância atualmente noBrasil, está sem dúvida se tornando cada vez mais politizada. Ela tem se tornado uma ferramenta essencial para divulgar as pautas feministas e um ato de referência para todas as mulheres que se aproximam da militância. Assim, nós das Juntas consideramos sua construção essencial para o movimento atualmente. Sabemos que, apesar da Lei Maria da Penha, os índices de violência contra a mulher não diminuíram, e as mulheres que vão à delegacia fazer denúncias não são devidamente protegidas. Assim, temos o dever de debater cada vez mais a questão da violência no nosso país. Não podemos admitir índices tão altos! Por isso, participamos como Juntas da campanha #EuNãoMereçoSerEstuprada e da organização da Marcha das Vadias.

Com a Marcha, cria-se uma abertura muito fértil para a discussão e para a atuação feminista. Precisamos avançar para o fim da violência da mulher, do machismo, do racismo e da homofobia. Para que não haja mais assédio nas ruas e no transporte público, para que não tenhamos medo de sair sozinhas à noite, para que sejamos verdadeiramente livres, porque se ser livre é ser vadia, somos todas vadias!

marchadasvadias1

* Fabiana Lontra é do Juntas! Porto Alegre e da Organização da Marcha das Vadias de Porto Alegre